Quebra na safra do milho deve chegar a 4 milhões de toneladas no Estado

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A seca que afeta Mato Grosso do Sul de leste a oeste, e de norte a sul, vem causando grande impacto na economia local, segundo revelou o chefe da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Jaime Verruck.

O secretário participou de evento de inauguração de uma nova sede do Sebrae, no Bairro Nova Lima – região norte de Campo Grande – e em conversa com a reportagem, revelou que a produção de milho já acumula perdas gigantescas neste ano.

“São 4 milhões de toneladas de milho perdidos em decorrência da seca. Só por aí, já existe um grande impacto. Na pecuária, não temos pasto e os produtores estão intensificando o confinamento. As escalas de abate nos frigoríficos estão comprometidas, pois não há boi gordo disponível”, explica Jaime.

Verruck ainda conta que, em breve, o Estado entrará em uma nova safra de soja, havendo previsão de 5% de aumento. “Há previsão de retomada das chuvas no final de setembro”, afirma, completando que o volume ainda assim não é suficiente para recompor os reservatórios de água, afetados por três anos seguidos de forte seca.

A seca vem provocando problemas no cotidiano do sul-mato-grossense, mas também afeta no ponto de vista macroeconômico. Com baixo volume, a navegação – que auxilia as exportações do Estado – no Rio Paraguai está praticamente inviável, enquanto no Rio Paraná, elas já foram suspensas, conta Jaime.

O chefe da pasta de Desenvolvimento Econômico conta ainda que, em breve, a água do Rio Paraná usada para irrigação de plantações deve ser suspensa, já que o foco principal na região, conhecida pelas hidrelétricas, é a geração de energia elétrica.