Etanol: Venda direta pode impulsionar consumo e baixar preço em MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Medida provisória nº 1.063, editada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que produtores e importadores de etanol comercializem o produto diretamente com os postos de combustíveis, deve aumentar em 5,35%, o consumo do produto em Mato Grosso do Sul.

A previsão de aumento foi divulgada pelo Observatório Econômico do Sindicato dos Fiscais Tributários Estaduais de Mato Grosso do Sul, após comparativos com valores no mês de abril e maio de 2021. Além do aumento no consumo, o preço do produto deve baixar em 4%, cerca de 0,20 centavos.

“Com a intermediação das distribuidoras, os tributos são pagos pelo produtor e pela distribuidora, com a venda direta, toda a carga tributária será repassada para as usinas”, explica Clauber Aguiar, diretor do Observatório.

De acordo com o sindicato, em Mato Grosso do Sul, a arrecadação do Imposto sobre Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) do setor de petróleo, combustível e lubrificante representou 26,03% do ICMS total, no período de janeiro a julho de 2021. Em 2020, o setor fechou o ano com uma arrecadação total de R$ 1.685.033.155 bi e com representação total de 27,9% do ICMS total.

Conforme a medida provisória editada no mês de agosto, a venda direta de etanol para os postos só valerá para aqueles com “bandeira branca”, que não usam marca de nenhuma distribuidora. Sem a intermediação das distribuidoras, caberá ao produtor zelar pela qualidade e organizar a logística de distribuição.