Nova indústria de celulose vai gerar ganho ambiental, social e econômico para MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A nova fábrica de celulose da Suzano, em Ribas do Rio Pardo, vai gerar ganho ambiental, social e econômico para Mato Grosso do Sul. Esta é a avaliação da Associação Sul-Mato-Grossense de Produtores e Consumidores de Florestas Plantadas (Reflore-MS).

O anúncio do empreendimento foi recebido com muito otimismo pelo setor. “É uma fábrica que era esperada há bastante tempo e agora deu certo. Se trata de uma excelente notícia não apenas para Ribas do Rio Pardo, mas também a Mato Grosso do Sul e ao Brasil”, descreveu o diretor-executivo da Reflore, Benedito Mário.O diretor destaca que o impacto será enorme no setor, que segundo ele, tem uma produção de 1.135.000 hectares de área plantada de eucalipto no Estado. “Desta área 88% já fica na região da costa leste e o restante espalhado pelo Estado. Ela tem suas peculiaridades como o fato de demorar sete anos para colher”, explicou.

Com este investimento previsto em R$ 14,7 bilhões, a expectativa é que haja uma produção e consumo mais ajustado. “Mato Grosso do Sul saiu na frente porque tem condições especiais e vantagens como sua topografia e até o preço da terra e acredito que os investimentos em logística e infraestrutura virão com o tempo”, disse Benedito.

Além dos ganhos econômicos e sociais para toda região, com a geração de empregos, aumento de renda e expansão do setor comercial e imobiliário, o diretor lembrou os ganhos ambientais. “A atividade e plantação foi feita de forma sustentável, com critérios rigorosos, aproveitando as áreas degradadas”.

Investimentos

Foi anunciado ao mercado na última quarta-feira (12) a construção da nova indústria de celulose da Suzano, na cidade de Ribas do Rio Pardo, que terá um investimento de R$ 14,7 bilhões, tendo a previsão de produção de 2,3 milhões de toneladas do produto ao ano, com a geração de 10 mil empregos durante a construção da fábrica.

Trata-se do maior investimento privado do Brasil, que vai ampliar a diversificação econômica no Estado. O governador Reinaldo Azambuja ressaltou que a política de incentivos fiscais e as obras de infraestrutura no Estado estão criando as condições para que Mato Grosso do Sul seja um celeiro de negócios e novas oportunidades.

“O anúncio da nova fábrica demonstra que estamos no caminho certo, transformando Mato Grosso do Sul em um Estado de oportunidades para todos, com sustentabilidade e qualidade de vida da população. Assim mantemos o ritmo de crescimento em todo Estado”, afirmou o governador.

O secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) destacou que o governo já dispõe de projetos de infraestrutura e logística, para potencializar o escoamento da produção e dar as devidas condições para a unidade.

“Será nossa quarta indústria de celulose no Estado, além de gerar milhares de empregos no período de obra e quando estiver concluída, é o modelo de empreendimento sustentável. Também vamos mapear as oportunidades de negócios, para atender este forte crescimento”, afirmou o secretário.