Indústria responde por 23% das contratações em MS no 1º semestre

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A indústria segue como indutora da geração de empregos em Mato Grosso do Sul, como apontam os dados do Radar Industrial da FIEMS. De acordo com o relatório, somente no mês de junho, 845 novos postos de trabalho foram abertos no Estado. Já no período correspondente a janeiro e junho de 2021, o setor industrial abriu 6.439 novas vagas, resultado que coloca o segmento como responsável por 23% do total de postos abertos em Mato Grosso do Sul no período indicado.

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da FIEMS, Ezequiel Resende, nos primeiros seis meses deste ano, a indústria contratou 35.625 pessoas e demitiu 29.186. “As atividades industriais que mais abriram vagas no mês de junho estão ligadas aos segmentos da construção civil (+139), da fabricação de celulose (+98), do abate de bovinos (+98), do abate de suínos (+75), da produção de ferro-gusa (+65), da fabricação de brinquedos e jogos recreativos (+61), da fabricação de calçados de couro (+54) e da fabricação de embalagens de material plástico (+50)”.

Ainda segundo Resende, as atividades industrias que mais fecharam vagas no mês de junho foram as ligadas à gestão de redes de esgoto (-79),  à fabricação de álcool (-51), à coleta de resíduos não perigosos (-36) e ao curtimento de couro (-32). No mesmo período, a maior parte da abertura de vagas foi registrada na indústria da construção (+2.208), na fabricação de celulose (+931), na fabricação de álcool (+834), na fabricação de brinquedos e jogos recreativos (+447), na fabricação de açúcar (+444), na confecção de peças do vestuário (+245), no abate de suínos (+174), na extração de minério de ferro (+122), na produção de ferro-gusa (+113) e na fabricação de conservas de peixes (+110).

O radar industrial da FIEMS apontou que as atividades industriais que mais fecharam vagas no acumulado de janeiro a junho: foram as de fabricação  de  produtos  de  pastas celulósicas,  papel  e  papelão (-400), de preparação de subprodutos do abate (-331), de abate  de  bovinos (-254), de abate de aves (-144), de gestão de redes de esgoto (-126) e da fabricação de produtos de carne (-102).

O coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da FIEMS explica que o mês de junho foi encerrado com 139.770 trabalhadores empregados. “Isso indica,, até aqui, um aumento de 4,8% em relação ao fechamento do ano anterior, quando o contingente ficou em 133.331 funcionários. Por fim, a atividade industrial responde por 24,9% de todo o emprego com carteira assinada existente em Mato Grosso do Sul, ficando atrás do segmento de Serviços que emprega 208.219 trabalhadores com participação equivalente a 37,2% e Comércio com 140.071 empregados ou 25,0%”.

Ezequiel Resende revelou que o Radar Industrial apontou que, em relação aos municípios, constata-se que em 59 deles as atividades industriais registraram saldo positivo de contratação no período de janeiro a junho de 2021, resultando na abertura de 7.714 vagas. Entre as cidades com saldo positivo de pelo menos 250 vagas, destacam-se: Campo Grande (+1.324), Aparecida do Taboado (+1.213), Três Lagoas (+815), Rio Brilhante (+539), Dourados (+408), Água Clara (+313), Naviraí (+300) e Corumbá (+260). As atividades que mais contribuíram nos municípios indicados foram (9 no total): Construção (+1.681), Fabricação de celulose (+777), Fabricação de álcool (+532), Fabricação de brinquedos e jogos recreativos (+449), Fabricação de açúcar (+427), Confecção de peças do vestuário (+152), Abate de suínos (+148), Abate de aves (+143) e Extração de minério de ferro (+122).

Por outro lado, em outros 18 municípios as atividades industriais registraram saldo negativo, proporcionando o fechamento de 1.275 vagas. Entre as cidades com saldo negativo de pelo menos 250 vagas, destacam-se: Bataguassu (-483) e Paranaíba (-355). As atividades que mais contribuíram nos municípios indicados foram (4 no total): Fabricação de produtos de pastas celulósicas, papel e papelão (-404), Preparação de subprodutos do abate (-325), Abate   de   bovinos  (-146)  e  Fabricação  de  calçados  de material sintético (-79).