Indústria permanece em constante ajuste diante da pandemia, aponta Fiems

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A indústria sul-mato-grossense permanece em constante ajuste aos desafios impostos pela pandemia de covid-19 e, por este motivo, segue em evolução. A avaliação é do presidente da FIEMS (Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul), Sérgio Longen, que concedeu entrevista ao vivo à rádio CBN nesta segunda-feira, 10 de abril. Na avaliação de Longen, a indústria não pode parar e, do funcionamento pleno do setor, dependem as cadeias de suprimento do Estado e a geração de empregos.

Diante da necessidade de permanecer em constante adaptação, mesmo a adversidades sanitárias de impactos macro-econômicos e sociais, como a covid-19, a indústria de Mato Grosso do Sul tem se mantido com saldo positivo. Para o presidente da FIEMS, os efeitos dessa resistência influenciam na tranquilidade da população. “Nós tivemos aí um cenário favorável em 2020 e fomos surpreendidos pela nova onda da covid-19 em 2021, mas de certa forma, a indústria vem se ajustando. E isso acabou por dar uma tranquilidade para a população em termos de suprimento com a indústria funcionando. O cenário do nosso Estado é muito positivo. A indústria vai bem aqui, em contrapartida, em outros estados nem tanto, mas no nosso Estado, em especial, a indústria vai muito bem”.

Setores como o do turismo necessitam de cooperação para retomar crescimento

Durante a entrevista, Sérgio Longen lembrou de duas das mais importantes preocupações para a população e a economia, a manutenção e geração de postos de trabalho. “Nós continuamos contratando. Temos números que indicam a evolução de segmentos importantes”. O dirigente alerta, contudo, que há setores preocupantes e dependentes hoje, de cooperação para a retomada. “Há setores que têm números preocupantes, como a indústria do turismo, que nós estamos trabalhando com um cuidado especial. Nós devemos nos reunir na semana que vem, buscando um alinhamento entre Estado, municípios e setores de crédito que possam, realmente, dar o suporte para a indústria do turismo voltar a crescer. Destacando as cidades de Corumbá, Bonito, Bodoquena, enfim, os polos de turismo que a gente tem e os setores beneficiados seriam bares, restaurantes, hotéis, para gerar a indústria do turismo”.

As perdas do turismo são ocasionadas pelas medidas de preservação da saúde impostas pela pandemia de covid-19, mas a devida cooperação pode contribuir para a recuperação do setor sem que isso signifique em irresponsabilidade sanitária, a exemplo do que houve com a indústria frigorífica. Durante a entrevista, Sérgio Longen detalhou como os frigoríficos conseguiram responder à crise. “Nós identificamos alguns problemas com o setor de frigoríficos e direcionamos uma ação muito forte, bem organizada. Destacamos a importância do Sindicato da Indústria da Alimentação e Carnes para esse segmento”. Além do Sindicarnes, que contribuíram para a implantação dos protocolos de biossegurança, Longen lembra da importante e decisiva participação da Fecomércio, Sebrae, do SESI e da FIEMS.

Setor frigorífico deixa exemplo de adaptação às adversidades sanitárias

A partir dos protocolos aplicados e da cooperação entre setores, a indústria frigorífica não só se recuperou, como também permaneceu em destaque nos negócios do Estado. Sobre os resultados, Sérgio Longen, define que a “página foi virada”. O presidente ressaltou que o setor de alimentos e bebidas permanece forte e em constante avanço, mantendo e gerando empregos. “O Estado já trabalha fortemente no segmento de alimentos, destacando a carne, não só a carne bovina, mas também suína, aves e peixes. Nós avançamos muito nesse segmento. Hoje o Mato Grosso do Sul é um dos principais produtores de tilápia do mundo e grande parte dessa produção já é exportada. Então, é o segmento que vem se desenvolvendo muito rapidamente e isso fez com que esses setores avançassem, gerando mais empregos e ajudando no desenvolvimento do nosso Estado”.

Também como exemplo de avanço, Sérgio Longen destacou o desempenho dos setores sucroenergéticos e de celulose e papel para o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul. Os dois segmentos têm mantido a competitividade e relevância mundial, elevando e impactando de maneira positiva na economia do Estado. Para continuar a crescer, tanto estes, como outros setores necessitam da devida e justa ação atenção de incentivo dos governos estadual e federal. “Temos uma grande demanda hoje. Primeiro nós conseguimos convalidar todos os incentivos fiscais do Mato Grosso do Sul. Os nossos incentivos hoje são legais. A grande maioria, nós temos hoje até 2032 os incentivos garantidos. E, agora, começamos a grande pauta que é a reforma tributária. E volta à tona a discussão dos incentivos fiscais”.

É preciso continuar a investir para manter empregos e desenvolvimento em MS

Além de incentivos fiscais e de atenção, o setor industrial necessita manter investimentos. Por este motivo Sérgio Longen sugere a avaliação da concessão de créditos. “A gente tem empresas impactadas hoje que também têm muita dificuldade de crédito. São ações que tentamos buscas sempre alinhar com o Banco do Brasil, que é o grande parceiro desse projeto e, também, ações importantes com o governo do Estado. Quero destacar que temos buscado benefícios tributários, buscado com o governo do Estado a prorrogação, refinanciamento de débitos. Ou seja, há uma ajuda constante para que estes setores se recuperarem”

Diante do quadro apresentado, Sérgio Longen indica que a indústria vai permanecer como indutora de crescimento do Estado, incorporando rotinas e mantendo a capacidade de resiliência. “Nós estamos evoluindo não só no setor de biossegurança. É muito importante deixar registrado que as ações são temos gente tem conseguido amenizar os impactos da covid-19 na produção e isso já é reconhecido pela sociedade”.