Agroindústria impulsiona e produção industrial cresce 84% no Estado

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Mesmo em meio à crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus, o setor industrial em Mato Grosso do Sul obteve crescimento de 84% na produção e continuou gerando emprego e renda. 

Parte deste cenário foi favorecido pela agroindústria que, segundo especialistas da área, continuou proporcionando alimento ao consumidor mesmo diante dos desafios.  

O resultado positivo foi alcançado em julho e, com esse desempenho, o índice de evolução da produção encerrou o mês em 53,5 pontos, ficando 9 pontos percentuais acima do levantamento anterior, segundo o último radar industrial da FIEMS.

“De um modo geral, podemos dizer que, apesar da pandemia, a atividade industrial se mostrou bastante resiliente em 2020 e 2021 e se manteve numa trajetória de forte crescimento”, explicou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da FIEMS, Ezequiel Resende.

“Quando olhamos para os segmentos que mais contribuíram para esse resultado, vimos que houve uma contribuição muito forte das atividades ligadas, principalmente, a indústria de alimentos e bebidas e, em especial, nos segmentos frigoríficos e de óleos vegetais”, acrescentou o economista.

Na visão do especialista em Mercado Exterior, Aldo Barrigosse, neste período de pandemia, a agroindústria precisou se reinventar e inovar para conseguir atender todas as demandas.

“As agroindústrias tiveram que adaptar a questão sanitária, as restrições do momento de pandemia, quantidade de funcionários. Eles tiveram que ter uma outra preocupação a mais com os funcionários dentro da empresa”.

Além disso, Barrigosse ainda destacou que os consumidores não tiveram problemas com o fornecimento de alimentos, durante o período de pandemia.

“Mesmo com todos os desafios que a pandemia pediu para o momento, foi um segmento que se reinventou e cresceu durante todo esse período, com a questão de produção, venda, comercialização, manutenção e em relação a novos empregos. Nós não tivemos nenhum problema de fornecimento de alimentos para nós consumidores”, ressaltou.

CRESCIMENTO

Em um ano, de julho de 2020 ao mesmo período de 2021, o número de trabalhadores industriais saiu de 126.811 para 140.557, um incremento de 10,44% ou 13.746.

Segundo levantamento da FIEMS, de março do ano passado a março deste ano, os segmentos que mais empregaram foram abate de suínos, com 1.468; abate de aves, com 1.213; fabricação de celulose (776), fabricação de açúcar (350); fabricação de óleos vegetais (264); construção (236) e fabricação de refrigeradores (175).  

Em se tratando das exportações, o valor também foi elevado. Em agosto, no grupo “Complexo Frigorífico”, a receita de produtos industrializados registrou US$ 147,2 milhões. O valor é 56% maior se comparado ao mesmo período do ano passado, quando a receita foi de R$ US$ 94,5 milhões.