Nova licitação de ferrovia em MS deve sair só no fim do ano que vem

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
Ferroeste em Guarapuava – Guarapuava, 04/04/2019 – Foto: Jaelson Lucas/ANPr

A nova licitação para escolher a empresa que vai administrar a ferrovia Malha Oeste, que corta Mato Grosso do Sul de leste à oeste e ainda liga o centro do Estado à região sul, deve acontecer até novembro de 2022, conforme revela a Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

O chefe da pasta, Jaime Verruck, participou nessa manhã de reunião por videoconferência com autoridades e operadores de logística que acompanham o processo de relicitação após a Rumo abdicar da concessão que pertencia a ela.

“É uma artéria que liga também à Bolívia e ao Paraguai. Nós estamos trabalhando conjuntamente com o Governo Federal, com o PPI [Programa de Parcerias de Investimento], e com os ministérios para termos a relicitação e, na sequência, a reconstrução da Malha Oeste”, destaca Verruck após o encontro.

Já o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) trata a ferrovia com um meio logístico que dá competitividade tanto às riquezas produzidas em Mato Grosso do Sul como às importadas. “Além do mais, é uma conexão ferroviária com a Bolívia em uma ferrovia que se chama transamericana, ela ligaria Mato Grosso do Sul aos portos do Oceano Pacífico”.

Histórico – Tradicionalmente conhecida como Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, a ferrovia teve grande impacto no desenvolvimento de Campo Grande como o principal polo do então Mato Grosso unificado, no início do século passado. Além disso, foi a porta de entrada de vários grupos de imigrantes na cidade.