Preço do litro do leite já ultrapassa R$ 10 no interior do Estado

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Enquanto em Campo Grande o preço do litro do leite se aproxima de R$ 8,50, no interior do Estado o susto é ainda maior, passando dos R$ 10. Esse é o caso do mercado Torquetti, em Tacuru. Leitora, que preferiu não se identificar, informou ao Campo Grande News que o leite da marca Frimesa tem sido comercializado a R$ 10,55 no local.

“Quem pode vai pra cidade vizinha que dá uma diferença de quatro reais, às vezes. Eu geralmente não compro aqui, só quando falta. Eu vou em Amambai, que custa R$ 6,69”, disse.

Pesquisa de preço feita pela reportagem em alguns supermercados nos municípios de Bodoquena, Bonito, Três Lagoas e Dourados mostra que em todos eles o produto passa dos R$ 7.

No supermercado Aquino, em Bodoquena, o Piracanjuba está por R$ 8,99 e o Italac por R$ 7,99. No supermercado Santos, em Bonito, o leite da marca Ninho está R$ 8,99, Piracanjuba R$ 7,99 e o Tirol R$ 6,49. No mesmo município, o supermercado Ypê vende o produto, da marca Italac, por R$ 7,95.

Já em Três Lagoas, no mercado Proença, o Italac está por R$ 7,19. No município de Dourados, o mercado Líder está vendendo o Italac por R$ 7,49 e o Piracanjuba por R$ 8,49.

Segundo o presidente do Silems (Sindicato das Indústrias de Laticínios do Estado de Mato Grosso do Sul),  Paulo Fernando Pereira Barbosa, o pasto seco, a entressafra e a queda na produção têm sido alguns dos motivos do encarecimento do leite ao consumidor.

“É um patamar de preço que não imaginávamos. Nem nós da indústria estávamos esperando. Nos preocupa, porque sabemos que o poder de compra do cidadão muitas vezes pode desestimular o consumo a esse preço”, ressaltou.

Barbosa destaca também como um dos problemas, o preço dos combustíveis, da energia e a guerra entre Rússia e Ucrânia.

Segundo dados divulgados pela Fiems, em Mato Grosso do Sul, a produção de leite caiu 15%, no primeiro trimestre de 2022, em comparação com o mesmo período do ano passado.

– CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS