Cartão levou 860 mil para a lista do nome sujo em MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Uma pesquisa do Serasa, uma das principais bases de dados do país, mostrou que atualmente são mais de 861 mil sul-mato-grossenses com o nome sujo e 36,4% terminou com o nome sujo após dívidas com cartão de crédito. O objeto que permite a venda parcelada, sem a necessidade de “dinheiro na hora”, ainda é o principal ‘vilão’ da vida financeira.

Conforme a economista Andreia Cambiaghi, os consumidores veem o cartão de crédito como um risco ao consumo exacerbado, mas na realidade, não é bem assim. Ela explica ser possível usar o benefício do cartão e ter uma vida financeira estável.

“Vamos pensar juntos o seguinte: como você paga as suas despesas? É com dinheiro, certo? Se é assim, qual é a função do cartão de crédito? Fazer o pagamento de despesas que realizamos. Compramos e pagamos. Então, se compramos temos que ter dinheiro para pagar e o cartão de crédito tem essa finalidade, no entanto, os pagamentos são programados para uma única data, que é a data de vencimento do cartão”, explicou.

Ela orienta que, antes mesmo de ter um cartão de crédito, o consumidor deve pensar primeiramente nas suas despesas e conhecer os próprios hábitos de consumo.

“Quais são os seus hábitos de consumo diário, semanal, mensal? Eles são adequados com a sua realidade financeira? Entendendo esses hábitos e adequando-os a sua realidade, ou seja, ter um padrão de vida que esteja adequado a sua realidade, não vai importar a forma como você realiza os seus pagamentos”, pontuou.

Além do cartão de crédito, as principais dívidas dos consumidores sul-mato-grossenses se concentram no varejo, com 18,10% e no setor de serviços, com 13,10%.

Maiores devedores em MS

A falta de organização econômica, desemprego e salário atrasado são algumas das causas que levam a deixar o nome dos consumidores negativados. No Brasil, são 62,5 milhões de inadimplentes. 

Uma pesquisa recente do Serasa, uma das principais bases de dados do país, mostrou quais são as cidades de Mato Grosso do Sul com mais moradores inadimplentes. Os dados contêm recortes até o mês de maio.

Em primeiro lugar, aparece Campo Grande, com mais de 348 mil moradores endividados. Em segunda posição no ranking, aparece Dourados, com 72 mil consumidores inadimplentes.

No terceiro lugar, segue Três Lagoas, tendo 47 mil moradores na base de dados do Serasa, e, em quarta e quinta colocação, figuram Corumbá e Ponta Porã, com 35 mil e 22 mil moradores com nome sujo, respectivamente.

A pesquisa também mostrou que os sul-mato-grossenses inadimplentes somam 2,6 milhões de dívidas, que chegam a aproximadamente R$ 3,8 bilhões em dívidas, sendo que o valor médio das contas é de R$ 4,3 mil por pessoa e o valor médio de cada dívida é de R$ 1,4 mil.