BC estima déficit em transações correntes maior em 2017, de US$28 bi

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

 

O Banco Central projetou nesta terça-feira déficit em transações correntes de 28 bilhões de dólares em 2017, maior que o rombo de 22 bilhões de dólares estimado para 2016, enxergando mais remessas de lucros e dividendos para o exterior e gastos com viagens internacionais. A cifra também embute expectativa de saldo positivo de 44 bilhões de dólares para a balança comercial no ano que vem, bem próxima à projeção de superávit de 44,5 bilhões de dólares para este ano.

O BC vê que os gastos líquidos de brasileiros em viagem no exterior somarão 10,5 bilhões de dólares em 2017, 2 bilhões de dólares a mais do que espera para este ano. Já as remessas de lucros e dividendo deverão somar 23,5 bilhões de dólares no próximo ano, sobre 19,5 bilhões de dólares em 2016.

Para 2016, o BC piorou sua conta para o resultado das transações correntes, após prever anteriormente déficit mais modesto, de 18 bilhões de dólares. O movimento ocorreu principalmente porque passou a ver desempenho mais fraco para as trocas comerciais. Antes, o BC calculava o superávit da balança em 49 bilhões de dólares. Se confirmado, o déficit de 2016 representará o melhor desempenho para as contas correntes do país desde 2007, quando houve superávit de 408 milhões de dólares.

No ano passado, o rombo foi de 58,882 bilhões de dólares. Para o Investimento Direto no País (IDP), o BC estima 75 bilhões de dólares em 2017 e, para este ano, a perspectiva é de 70 bilhões de dólares, número que a autoridade monetária não mudou. A piora no déficit nas transações correntes em 2017 tem como pano de fundo a continuidade de um cenário difícil para a economia, mas com perspectiva de alguma retomada.

 

NOVEMBRO

O BC também divulgou que o déficit em transações correntes do Brasil foi de 878 milhões de dólares em novembro, pior que a estimativa de um rombo de 200 milhões de dólares, segundo pesquisa Reuters. Por sua vez, o IDP alcançou 8,752 bilhões de dólares no mês, acima da projeção de analistas de 6,5 bilhões de dólares.

De janeiro a novembro, o déficit em transações correntes alcançou 17,818 bilhões de dólares, expressivamente menor que o saldo negativo de 56,439 bilhões de dólares do mesmo período de 2015. Em 12 meses, o déficit foi a 1,12 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), contra 3,67 por cento até novembro do ano passado.

O resultado das contas externas em novembro foi beneficiado pela balança comercial, positiva em 4,516 bilhões de dólares, frente a 941 milhões de dólares de um ano antes. Por outro lado, as remessas de lucros e dividendos subiram 125 por cento na comparação anual, a 1,979 bilhão de dólares. As despesas líquidas em viagens internacionais, por sua vez, cresceram 44,8 por cento ante novembro de 2015, a 731 milhões de dólares.