13º antecipado do INSS vai injetar R$ 231,7 mi em MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A antecipação da primeira parcela do 13º salário de aposentados, pensionistas e beneficiários de auxílios previdenciários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) vai injetar R$ 231,759 milhões na economia de Mato Grosso do Sul.

Conforme o Instituto, são 311.886 benefícios, “esse é o total de créditos que será depositado, podem ser pessoas, porém, alguns recebem pensão e aposentadoria”, informou o INSS.  

Quando considerados os 400.287 benefícios creditados no mês de maio, incluindo os segurados que não têm direito à antecipação, serão R$ 746,142 milhões na economia do Estado. Para economistas ouvidos pela reportagem, os recursos são importantes, principalmente pelo momento de crise causada pela pandemia de Covid-19.

“A antecipação é muito importante, é fundamental neste momento. Temos a disponibilização de um capital importante que vai para duas coisas principalmente: pagamento de dívidas que podem estar em atraso ou antecipar dívidas que estejam com juros altos ou consumir mais, seja para construção, compra, se organizar para comprar um carro, etc.”, diz o doutor em Economia Michel Constantino.  

O economista ainda explica que é um recurso que traz otimismo e faz a economia girar. 

“A gente chama de efeito multiplicador, quando entra um dinheiro desse que não está previsto naquele mês tem um efeito multiplicador no crédito, débito e do consumo”, considera. De acordo com a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio (IPF-MS), Daniela Dias, os recursos trazem dinamismo para a economia.

“Tem algo que chama bastante atenção, o fato de termos 33% das pessoas tentando buscar equilíbrio financeiro. Pode ser que esse recurso não seja gasto imediatamente ou pode ser que dê um fôlego maior para a economia no sentido de consumo de alguns tipos de bens. Como o comportamento das pessoas está bem distinto, pode ser que tenhamos uma busca por equilíbrio financeiro ou esse fôlego no comércio”, explica a economista e completa.

“Quando vem esse tipo de recurso, por menor que ele pareça ser, ele mexe com as expectativas das pessoas, dá um pouco mais de otimismo. A gente pode ter uma reação como na intenção de consumo, nas expectativas nos próximos meses”.