REDUÇÃO NA GASOLINA NÃO CHEGA AO CONSUMIDOR

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

 

 

combustivel
Em Caarapó, cidade vizinha a gasolina custa R$ 3,45 o litro e ninguém explica porque em Dourados custa R$ 0,20 a mais. (Foto: Divulgação).

Da Redação

 

A queda no preço da gasolina e do diesel não chega ao consumidor. Embora as distribuidoras de combustíveis, incluindo a BR Distribuidora, têm segurado o repasse dos preços menores da gasolina e do diesel aos postos.

É o que mostra levantamento feito pela Folha de São Paulo com base em dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). Cinco semanas após os primeiros cortes promovidos pela Petrobras, o consumidor ainda não sentiu os efeitos no bolso, mostra a agência.

Em Dourados a situação é semelhante. O preço é mesmo praticado deste o mais recente reajuste. Ninguém consegue explicar o mistério na comercialização de combustível no Brasil e, principalmente, em Dourados.

No levantamento semanal, divulgado no dia 18, o preço médio da gasolina no país foi de R$ 3,675 por litro, menos de R$ 0,01 abaixo do verificado uma semana antes. Já o preço médio do diesel caiu exatamente R$ 0,01, de R$ 3,005 para R$ 2,995.

Considerando os dois cortes, promovidos em 14 de outubro e em 8 de novembro, a Petrobras estimou um repasse às bombas de R$ 0,10 por litro no caso da gasolina e de R$ 0,25 por litro no diesel. Ao invés de cair R$ 0,10, a gasolina subiu R$ 0,02 desde outubro. O diesel recuou apenas R$ 0,02 no período.

 

COMO FUNCIONA

A Petrobras tem os postos de exploração de petróleo e produz gasolina e diesel nas refinarias. Esse produto é vendido pela estatal às distribuidoras, como a BR, a Raízen (da marca Shell) e a Ipiranga. Elas misturam etanol anidro à gasolina e biodiesel ao diesel e, então, revendem os produtos à rede de postos.

Os dados da ANP mostram que, embora estejam pagando menos à Petrobras para comprar gasolina e diesel, as distribuidoras não têm repassado o ganho aos postos.

Revendedores de combustíveis dizem ter identificado, com base em notas fiscais de compra, que todas as grandes distribuidoras do país, incluindo a BR Distribuidora, seguraram os repasses.

“Os números mostram que nós não recebemos esses repasses. Alguém tem que explicar onde foi parar esse desconto”, reclama o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes de São Paulo, José Alberto Paiva Gouveia.

A margem de lucro dos postos no período permaneceu praticamente inalterada nas vendas dos dois combustíveis desde outubro.

As distribuidoras responderam que suas estratégias comerciais são confidenciais e que os preços dos combustíveis variam também de acordo com outros elementos, como impostos, logística e margens da cadeia produtiva.

“A Petrobras Distribuidora informa que os preços praticados pela companhia são estipulados em negociações individuais com os revendedores”, disse a empresa, em nota enviada à Folha.

“O mercado de combustíveis tem como característica a liberdade de precificação em todas as etapas da cadeia e quem determina o preço final do produto é o mercado por meio da competição em cada bairro ou cidade”, afirmou a Raízen.

A Ipiranga citou o aumento de preço do etanol anidro nos últimos meses, que ocorre devido à entressafra da cana. A gasolina vendida nos postos tem 27% do biocombustível na mistura.

 

De acordo com dados da ANP, as três companhias controlam 66,4% das vendas de gasolina e 76,5% das vendas de óleo diesel no país.

Procurados, ANP e Ministério de Minas e Energia afirmaram que os preços dos combustíveis são livres.

Desde 2002, Petrobras, distribuidoras e postos têm liberdade para vender os produtos aos preços que desejarem.

Responsável por investigar questões concorrenciais, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) diz que os processos são iniciados a partir de denúncias da sociedade.

“Caso haja eventuais denúncias ou indícios de cartelização na formação dos preços dos combustíveis, seja por distribuidores ou revendedores, o Cade poderia abrir uma investigação para apurar as supostas irregularidades, como já tem sido feito em diversos casos”, afirmou o órgão, em nota. (Com Nicola Pamplona, da Folha de São Paulo, e Paulo Whitaker, da Reuters).

 

DOURADOS

Os preços praticados nos postos de combustíveis de Dourados então entre os mais altos do Estado. O litro da gasolina custa entre R$ 3,72 e R$ 3,90. Somente uma rede de postos têm preços abaixo de R$ 3,60. Alguns postos dão 10% de desconto para clientes cadastrados. Mesmo assim o preço da gasolina cai apenas para R$ 3,63.

Em Caarapó, cidade localizada a 50 quilômetros de Dourados e, portanto, 50 quilômetros mais distante de Paulínia, de onde vem todo o combustível para o Estado, a gasolina é vendida a R$ 3,47 nos postos BR e R$ 3,45 nos postos de bandeira Taurus, empresa que tem sede em Dourados.

A questão do preço do combustível demasiadamente alto em Dourados virou motivo de investigação na Câmara de Vereadores e na Assembleia Legislativa e não virou em nada. Enquanto isso nas ruas todas as pessoas falam em “cartel”, mas ninguém consegue desvendar o mistério.