Preço da gasolina sobe 20% e etanol 30% nos 4 primeiros meses de 2021 em MS, indica ANP

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

As famílias sul-mato-grossenses sentiram no bolso os reflexos da crise gerada pela pandemia do coronavírus no início de 2021. Um dos itens que mais impacta no orçamento doméstico é o combustível. Somente nos 4 primeiros meses do ano, a gasolina comum subiu 20% e o etanol teve alta de 30%, conforme levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo).

De acordo com os ddos coletados em postos de todo o Estado, o preço médio da gasolina comum estava em R$ 4,73 no mês de janeiro e saltou para R$ 5,04 no mês seguinte. Em março teve novo avanço e custava R$ 5,60. Recuou para R$ 5,57 em abril e, por fim, fecha o mês de maio na faixa de R$ 5,68, podendo chegar a R$ 6,19 em Corumbá.

Para se ter uma ideia, há um ano, a gasolina era encontrada, em média, por R$ 3,91 no Estado. Assim, nesse período, o preço nas bombas subiu 45,2%. Na época, alguns postos comercializavam o combubstível por até R$ 3,73, conforme os dados da ANP.

Já o etanol apresentou alta de 30% somente nos primeiros 4 meses de 2021. O valor médio praticado em janeiro pelos postos de combustíveis de MS era de R$ 3,37. Em maio, o biocombustível é encontrado por R$ 4,40, em média, podendo chegar a R$ 5,02.

De um ano para cá, o preço aumentou 44%, passando de R$ 3,05 para os atuais R$ 4,40. Na época, alguns postos ainda vendiam o etanol por R$ 2,67.

Com o período de colheita da cana de açúcar e produção de álcool geralmente dentro do intervalo de abril e dezembro, o preço do etanol deveria estar em queda agora, mas não é isso que está acontecendo. Isso ocorre devido à estiagem que ocorreu no verão, com volume de chuvas bem abaixo do esperado para a época. 

A partir de junho, o volume de etanol colocado no mercado deve aumentar e a tendência é de que os preços caiam. Entretanto, eles não vão voltar aos patamares do final do ano passado e início deste ano.