Nova Ferroeste deve reduzir em 30% o custo do transporte de carga em MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
Governadores Reinaldo Azambuja (MS) e Ratinho Junior (PR) e o ministro da Infraestrutura, Tarcisio Gomeseesmes de Freitas

Estudo de demanda apresentado nesta terça-feira (18), no Ministério da Infraestrutura, mostrou a viabilidade do Corredor Oeste de Exportação. A apresentação foi feita pelo coordenador do Plano Estadual Ferroviário, Luiz Henrique Fagundes, em uma reunião com a participação dos governadores Reinaldo Azambuja (MS) e Ratinho Junior (PR) e o ministro da Infraestrutura, Tarcisio Gomes de Freitas. 

O levantamento revelou que Mato Grosso do Sul terá a maior redução de custo de transporte com a Nova Ferroeste, podendo chegar a 30% em relação ao frete rodoviário. Além da apresentação do projeto de desestatização da Nova Ferroeste, o evento contou com a assinatura do contrato de concessão da área destinada à movimentação de veículos no Porto de Paranaguá.

Para o governador Reinaldo Azambuja, o modal vai ser importante para escoar as riquezas produzidas, ainda mais com a projeção do crescimento da área de agricultura em 1,8 milhão de hectares em Mato Grosso do Sul nos próximos anos, o que vai potencializar as exportações.

Além disso, a chegada de empreendimentos como a fábrica de celulose da Suzano vão ajudar a impulsionar o comércio internacional. “Esse é um trabalho conjunto, com equipe da Ferroeste, do Paraná, de Mato Grosso do Sul e do Ministério da Infraestrutura. É um projeto essencial para dar competitividade. Hoje o frete de Mato Grosso do Sul é rodoviário e o porto de Paranaguá já é o grande destino das riquezas do nosso Estado”, disse Reinaldo Azambuja. 

A nova fábrica de celulose da Suzano foi anunciada ao mercado na semana passada. A unidade em Ribas do Rio Pardo será a maior do mundo, com investimento de R$ 14,7 bilhões e geração de 10 mil empregos diretos até 2024.

A Nova Ferroeste vai ligar Maracaju ao porto de Paranaguá. O traçado será o seguinte: Maracaju, Amambai, Guaíra e Cascavel. Em Cascavel haverá duas ramificações: uma indo a Foz do Iguaçu e a outra seguindo por Guarapuava, passando por Balsa Nova e chegando a Paranaguá