Estado ganhou 475 supermercados no primeiro semestre de 2021

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

No primeiro semestre de 2021, Mato Grosso do Sul teve um ritmo maior de abertura de supermercados em relação ao período pré-pandemia, é o que indica o levantamento realizado pela Geofusion, líder no segmento de inteligência geográfica no país.

Enquanto o primeiro semestre de 2019 registrou um aumento de 22,7% de novas unidades, nos seis primeiros meses de 2021 esse número registrou alta de 36,1% – o equivalente a 475 unidades abertas no Estado.

Em 2020 esses dados ficaram em apenas 7,4%. Já o potencial per capita de compras em Mato Grosso do Sul neste ano é de R$2,2 mil.

O setor, considerado essencial para o comércio, foi um dos poucos que se manteve em um bom nível mesmo durante o período da crise sanitária.

A principal justificativa é o fato de as pessoas terem ficado mais tempo em casa, consequentemente, aumentando o consumo de alimentos nos domicílios, além do pagamento do auxílio emergencial, que garantiu renda mínima aos mais vulneráveis.

O segmento de supermercados tem apresentado tendência de expansão desde 2015 em todo o país.  

Até 2018 houve variação entre 15% e 20% no primeiro semestre.

Já de janeiro a junho de 2019 o aumento do número de novas unidades foi ainda maior: 39,5% em relação ao primeiro semestre de 2018.

Os dez estados que registram maior expansão no primeiro semestre de 2021 foram: Acre (86,0%), Sergipe (70,5%), Pernambuco (63,9%), Roraima (63,5%), Bahia (61,9%), Piauí (59,6%), São Paulo (56,5%), Amapá (56,5%), Tocantins (52,2%) e Paraíba (48,0%). 

Todos esses estados apresentaram crescimento no indicador e, por várias vezes, estiveram no ranking dos estados com maior expansão em termos proporcionais.

Quando se trata de números absolutos, destacam-se São Paulo, com abertura de quase sete mil lojas; Bahia, com quase quatro mil unidades; Minas Gerais, com 3,3 mil; Rio de Janeiro , com 2,6 mil; Rio Grande do Sul e Ceará, ambas com aberturas de aproximadamente 2,2 mil unidades.

Por fim, Pará, Goiás, Paraná e Pernambuco, com cerca de 1,8 mil novos estabelecimentos.

Desenvolvida pela Geofusion a partir de metodologia própria, a estimativa anual per capita de consumo de alimentos no domicílio é maior nos seguintes estados: Rio Grande do Sul (R﹩ 2,60 mil), São Paulo (R﹩ 2,56 mil), Santa Catarina (R﹩ 2,56 mil), Amapá (R﹩ 2,52 mil), Distrito Federal (R﹩ 2,50 mil), Rio Grande do Norte (R﹩ 2,44 mil), Paraná (R﹩ 2,26 mil), Mato Grosso do Sul (R﹩ 2,20 mil), Goiás (R﹩ 2,16 mil) e Rio de Janeiro (R﹩ 2,16 mil).