Exportações de MS somam US$ 4,2 bilhões em 7 meses

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

As exportações em Mato Grosso do Sul somaram US$ 4,232 bilhões nos sete primeiros meses do ano. Já as importações chegaram a US$ 1,340 bilhão.

Com isso, o saldo fica em US$ 2,8 bilhões, o que representa 16,5% a mais se comparar com o mesmo período do ano passado.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (05) pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, conforme análise feita pela equipe econômica da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro).

A soja em grão se destaca nas exportações, sendo responsável por 40,91% do total de Mato Grosso do Sul, com US$ 1.731.624 e 4.128.511 toneladas.

Em relação ao mesmo período do ano passado, o aumento foi de 25,82%.

Em seguida está a Celulose com 20,21%, sendo US$ 855.600 e 2.401.122 toneladas. Se comparado ao ano passado, teve queda de 16,7%.

Carne bovina e outros produtos de carne teve variação de 12,22%, entre US$ 517.422 e 126.801 toneladas.

O milho teve participação de 2,46% na balança comercial e crescimento de 139% no faturamento das exportações, ficando em oitavo no ranking.

“Assim como a soja, o milho é sazonal, o que significa que o volume enviado ao mercado externo oscila ao longo do ano. Com o fim da safra a tendência é as vendas aumentarem”, destacou o titular da Semagro, secretário Jaime Verruck.

Já o açúcar passou de 2,4% para 4,39% na participação na balança comercial em 2021, com aumento de 115% no faturamento das vendas ao mercado externo.  

A China continua sendo um dos principais destinos de exportação, sendo responsável por comprar 50,5% de tudo que o Estado exporta. 

Neste ano, elevou em 15,5% as importações. Em seguida está Estados Unidos que aumentaram 36% a compra de produtos estaduais e representam 4,76% do mercado.

IMPORTAÇÃO

Em se tratando das importações, o petróleo e o gás natural estão em primeiro, com variação de 42,25% entre US$ 566.417 e 3.147.429 de toneladas.

No entanto, o produto apresentou queda de 6,76% no faturamento do combustível, se comparado ao mesmo período do ano passado .