Preço do etanol deve retrair R$ 0,26 e competir com a gasolina

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Levantamento do Ministério de Minas e Energia (MME) apontou que com a promulgação da Emenda Constitucional 123/22 e a adoção pelo governo do Estado, o preço do etanol deve reduzir mais R$ 0,26 em Mato Grosso do Sul.  

A medida ainda em estudo pela Secretária da Fazenda de MS visa garantir competitividade dos biocombustíveis com os combustíveis fósseis. Com isso, têm-se a manutenção da paridade da gasolina com o etanol. Com a garantia de diferencial, a alíquota cobrada sobre o etanol deve cair dos atuais 17% para 11,3% no Estado.  

De acordo com o governo, a administração está avaliando impactos da redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a alíquota do Etanol, como prevê a nova legislação.  

“Com certeza vamos cumprir tal legislação a exemplo de outros estados, e nos próximos dias devemos anunciar tal decisão”, informa em nota.  

Conforme o comunicado oficial, “o governador, a exemplo do Fórum de governadores, aguarda votação final da derrubada do veto que prevê compensação por perdas na arrecadação”, finaliza.

A PEC ainda autoriza um repasse de R$ 3,8 bilhões aos estados para dar competitividade tributária aos produtores de etanol frente à gasolina.  

Segundo o titular da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, a competitividade segue a lei da relação do poder calorífico do etanol em comparação com a gasolina.  

“A tendência, mantida essa situação, é aumentar o consumo de gasolina e reduzir o de etanol, considerando aquela relação de competitividade 70/30. O que foi aprovado na PEC, ela diz que os governos deverão manter a proporcionalidade anterior em relação ao etanol. Então, se nós tínhamos 30% e 20%, o álcool era 2/3 do imposto da gasolina. Temos de adaptar, com a gasolina a 17% o etanol tem de cair a 11,3% para manter a competitividade”, explica o secretário.

Essa é a terceira redução que o biocombustível deve receber. Nos últimos dois meses o PIS/ Cofins, tributos federais, foram zerados pelo governo federal, resultando em uma queda média de R$ 0,24.  

A segunda queda se deu pela adoção da Lei Complementar 194/22, na qual o Congresso Nacional transformou combustíveis, energia elétrica, transportes, gás de cozinha e comunicação em bens essenciais, proibindo assim a incidência de ICMS acima da alíquota modal de cada estado.  

No caso de Mato Grosso do Sul, o etanol teve a incidência reduzida de 20% para 17%, conforme a nova legislação. Entre essa medida e questões tributárias foram retirados mais R$ 0,61 do preço praticado na bomba.  

Dessa forma, no espaço de dois meses, o etanol hidratado, caiu R$ 0,87 em MS. Com a promulgação da reduziu a alíquota de ICMS, segundo levantamento feito por meio da a pesquisa semanal de preços da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).  

Segundo o diretor-executivo Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes de Mato Grosso do Sul (Sinpetro-MS), Edson Lazarotto, a paridade dos combustíveis foi quebrada com os recentes cortes de impostos.  

“O preço da gasolina caiu muito e ficou longe da paridade, é uma queda que não compensa mais consumir o etanol. São Paulo tinha alíquota de ICMS em 13,3 % com uma redução para 9,57%. Mato Grosso não vai mudar nada porque lá o ICMS sobre o etanol é 8,5%”, revela.  

Além de São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Goiás, Paraná, Roraima, Espírito Santo, Bahia, Paraíba, Distrito Federal, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Pará, Maranhão, Tocantins e Amazonas anunciaram redução no ICMS para atender a medida.  

Segundo o dirigente esses temas são uma luta constante do Sinpetro. “Tudo que é redução de imposto será bem-vindo pelo consumidor e pelo posto. O posto vive de preço baixo  e é importante que caia o imposto e o preço do produto também, assim todos se beneficiam”, finaliza.  

Em baixa

De acordo com a ANP, o preço médio em MS era de R$ 5,51 o litro em maio, contra R$ 4,64 do auferido neste mês de julho. Caso a redução esperada pelo MME chegue, o etanol vai ficar R$ 1,11 mais barato no Estado neste comparativo de dois meses.  

De maio para cá, Campo Grande apresentou uma queda ainda maior que a estadual. Na Capital o combustível renovável saiu do preço médio de R$ 5,36 o litro em maio para ser comercializado a R$ 4,40, redução de 17,91%.  

Dourados e Três Lagoas tiveram quedas similares, saindo de R$ 5,55 e R$ 5,63 nos preços médios de maio para a R$ 4,58 e R$ 4,67, ou 17,47% e 17,05% respectivamente.  

Em São Paulo, a alíquota caiu de 13,3% para 9,57%. Segundo a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis), os tributos cobrados em média no litro do etanol são em torno de R$ 0,71 atualmente em MS. Incidência de 17%, mesma da gasolina.  

A Emenda  Consitucional 123 destina R$ 3,8 bilhões em cinco parcelas no valor de até R$ 760 milhões cada, a serem pagas de agosto a dezembro de 2022 para os estados e o Distrito Federal que outorgarem créditos tributários do ICMS.