Este ano, ceias e presentes de natal podem custar até 80% a mais em tributos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Este ano, as ceias e presentes de natal, podem registrar 80% a mais em tributos, conforme uma pesquisa divulgada pelo IBTB (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação).

Entre os alimentos mais procurados durante a data sazonal, que mais apresentaram sobrecargas, estão: peru, com aumento de 29,32% de impostos, champanhe, a taxa é de 59,49% e as frutas, com 59,49%.

Reajuste na cesta básica

No início do mês, uma pesquisa divulgada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese),  revelou que o preço da cesta básica apresentou variação de 1,26 % a menos em Campo Grande no mês de novembro.

No entanto, a Capital sul-mato-grossense ainda está entre os 17 estados brasileiros com o valor mais alto nos itens da cesta básica, o que pode encarecer a compra para as festividades de natal e ano novo. 

Outros produtos que também registraram alta nos impostos embutidos, foram: árvore-de-natal com 39,23%, enfeites 39,70% e panetone (34,63%).

Conforme o Economista Michel Constantino, “é hora de avaliar com calma os preços, pesquisar mais e compartilhar os valores dos presentes e alimentos natalinos”.  


Ainda de acordo com a pesquisa, algumas das opções mais escolhidas na hora de presentear, bateu a margem de até 78,99%, como é o caso dos perfumes importados.

Logo na sequência, a maquiagem importada acumulou 69,53% em tributos, bem como os produtos eletrônicos, onde os impostos atingem até 72,18% do valor do videogame.

Já o tablet importado ficou em 59,32% e smartphone importado 68,76%. Além do presente da criançada, nos quais, em geral, 39,70% do seu valor é destinado à arrecadação pública.