Comércio de MS deve movimentar 584 milhões durante fim de ano

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Divulgada na terça-feira (30), pesquisa de intenção de compras para o fim do ano aponta que o comércio de Mato Grosso do Sul deve movimentar cerca de R$ 583,82 milhões, entre presentes e comemorações. O levantamento é do IPF/MS (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio) e do Sebrae MS.

O valor é 26% menor do que o registrado no ano passado. Ao todo, foram 1.508 questionários respondidos na pesquisa realizada entre os dias 22 de outubro e 18 de novembro, nas cidades de Campo Grande, Coxim, Dourados, Três Lagoas, Corumbá, Ladário, Ponta Porã e Bonito.

Conforme o levantamento, R$ 190,08 milhões serão gastos com compras para presentes. O gasto médio será de R$ 281,86, sendo que 86,10% dos entrevistados farão as compras em uma loja física. Entre os itens mais citados pelos consumidores, estão roupas, calçados e acessórios (53,6%), brinquedos (31,8%) e móveis e eletrodomésticos (2,08%).

“Esse cliente estará em busca de descontos, pois a tendência é de pagar à vista (37,70%), e estará muito seletivo quanto ao preço (20,20%). Por isso, ter várias opções de faixas de preço pode ser uma alternativa para os lojistas, que já devem tentar cativar o cliente para ele voltar no próximo ano”, aponta a economista do IPF/MS, Regiane Dedé de Oliveira.

Para as comemorações de Natal e Ano-Novo, o previsto é R$ 194,36 milhões. Os consumidores devem gastar em média 218,43, 50% afirmam que vão passar a data em casa e 43,7% vão preparar a comida.

 Além disso, a pesquisa apontou que 44,9% dos entrevistados receberão 13º salário e desses, 22,7% pretendem guardar o dinheiro, 18,2% devem pagar contas que ainda vão vencer e 17,5% vão pagar as faturas em atraso.

“Esses indicadores são importantes para a economia, pois mostram que 35,7% das pessoas querem organizar a vida financeira e, possivelmente, são pessoas que entram 2022 com crédito”, afirma Regiane.