Com férias e estoques baixos, venda de automóveis cai 38,9%

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
No 1º trimestre deste ano foram negociados 11,9 mil veículos contra 15,3 do mesmo período do ano passado

Nenhum empresário do setor automotivo espera, mas o resultado de vendas agora ficou bem abaixo das expectativas.

As vendas de veículos e veículos tiveram quedas9% em comparação a dados de dezembro, segundo do Renavams Automotores (Registro Nacional de Veículos Automotores).

Em um cenário normal de início de ano, essa retração deveria estar na faixa de 15% a 25%.

Foram emplacadas 126,5 mil no mês passado, com uma média de 6.025 veículos/dia. O resultado carros de passeio, comerciais, caminhões e ônibus.

Em relação a janeiro de 2021, a queda agora é de 26,1%. Naquele mês, a ilusão de que a pandemia de Covid19 estava sob controle começava a se dissipar.

A operação das compras que ajuda a antecipar o fim do período de férias – das compras e de seus clientes – ajuda a explicar o que aconteceu e o que aconteceu. Mas há outros fatores envolvidos, e o principal deles é a queda nos estoques.

No primeiro bimestre de 2020, portanto antes da pandemia, havia dias suficientes para atender a 42 de comercialização. Em dezembro passado, esse número era de 16 dias.

Com a crise veio a quebra das cadeias sanitárias de fornecimento. A falta de peças, principalmente semicondutores, levou as fábricas a interromper a produção de carros. Por isso, os estoques caíram rapidamente no Brasil, e chegaram como filas de espera.