Aced e Faems vão à Justiça pela reabertura do comércio de Dourados

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A ACED (Associação Comercial e Empresarial de Dourados) e a FAEMS (Federação das Associações Empresariais do Mato Grosso do Sul), protocolaram um mandado de segurança nesta semana, com pedido de liminar contra a Prefeitura Municipal de Dourados que instituiu o Decreto 400, obrigando o lockdown até o dia 12 de junho, Dia dos Namorados, contrariando frontalmente às disposições das Constituições Estadual e Federal.

Protocolado no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, no final da última quarta—feira, dia 2 de junho, o documento pede a suspenção da determinação municipal ou a mesma restrição de quantitativos de pessoas, e modos de entrega (delivery), com a adoção das medidas sanitárias de biossegurança a todos os comerciantes, sem exceção.

Para a ACED, a Lei da liberdade econômica é uma conquista do espírito autossuficiente da iniciativa privada frente à burocracia excessiva do Estado. Ela consolidou o anseio de inúmeros empreendedores brasileiros, de ver a sua dignidade reconhecida pelo Poder Público, que passou a ter de observar uma série de condicionantes contra o abuso do poder regulatório.

Contudo, para o presidente da ACED, Nilson Santos, a declaração dos direitos de liberdade econômica tem sido bruscamente frustrada por uma série de atos normativos municipais que, sob a pretensão de conter o avanço da pandemia da Covid-19. “Estão optando por utilizar o poder coercitivo estatal para tolher fulminantemente a liberdade econômica, principalmente, dos pequenos negócios”, enfatizou o presidente da ACED, Nilson Santos.

“Diante deste mandado de segurança, a entidade mostra o desejo de seus associados, que almejam pela liberdade de exercer suas atividades, prover o sustento de seus funcionários, seu próprio e de sua família, direito fundamental protegido por nossa Constituição Federal e Estadual”, afirmou Nilson Santos.

O documento, que já foi divulgado nas redes sociais da entidade, entre diversas argumentações citadas pelas entidades que representam a classe empresarial, deixa claro que o Decreto 400 também viola o princípio da isonomia, fazendo de tal decreto, ilegal e nulo, além de não conter comprovação científica.