Soja: plantio é concluído em Dourados, mas dois fatores preocupam produtor

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O plantio de soja foi concluído recentemente em Dourados, no sul de Mato Grosso do Sul. No entanto, os 220 mil hectares cultivados já sentem os efeitos adversos provocados por dois fatores: a falta de chuva e o ataque precoce de percevejo marrom, segundo informações do departamento técnico da Coperplan.

O engenheiro-agrônomo Eduardo Brandt ressalta que a precipitação com bom volume ocorreu há 15 dias e agora o produtor está na expectativa para o retorno da umidade. “As previsões têm indicado chuvas, mas elas não estão se confirmando”, comenta.

Brandt destaca que as lavouras se dividem entre as fases de floração (20%) e crescimento vegetativo (80%) e já sentem a presença do percevejo. “Felizmente o produtor está conseguindo fazer um bom controle”, comenta.

Outra situação que vem ocorrendo no momento é o encarquilhamento das folhas das plantas de soja, algo que já ocorreu em outras safras, mas que não chegou a trazer prejuízos em termos de produtividade. “O aspecto visual da planta fica feio, com o enrugamento das plantas. Os motivos para isso ainda não são conhecidos e vem sendo estudados há algum tempo”, afirma Brandt.

Se o clima se mantiver como o esperado, com bons volumes de chuvas, a expectativa da Coperplan é de que o rendimento médio das lavouras possa ficar entre 3.300 e 3.600 quilos por hectare.

Segundo levantamento de Safras & Mercado, o plantio de soja no estado de Mato Grosso do Sul atingia 99% da área até o dia 19 de novembro. No mesmo período do ano passado, a semeadura estava em 95% da área, enquanto a média de cultivo nos últimos cinco anos é de 95%.