Sobe em 18,67%, o preço do quilo de ovinos comercializados em MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Com rebanho de 403,5 mil cabeças de ovinos e caprinos, Mato Grosso do Sul elevou nos cinco primeiros meses de 2022, 18,67%, a comercialização de animais vivos.  

Pelo relatório da Embrapa Caprinos e Ovinos de janeiro a maio de 2022, Mato Grosso do Sul vendeu a R$ 11,91 o quilo do animal vivo.

Este ano, o índice representa um aumento de 18,67% em comparação com o mesmo período de 2021, em que o quilo era comercializado a R$ 10,04.

No Mato Grosso do Sul, o rebanho de ovinos corresponde a 403,5 mil animais. No ranking aparecem os municípios de Corumbá com 20 mil cabeças; Ribas do Rio Pardo possui 16 mil ovinos; e Bela Vista soma 14 mil animais.  

Em cinco meses, ovinocultores de Mato Grosso do Sul comercializaram 491 animais e tiveram receita de R$ 311 mil. O preço por quilo comercializado foi de R$ 13,46, de animais entre abate, recria e genética com peso médio de 47 quilos, avaliados em R$ 633,49 e atendidos pela assistência técnica e gerencial do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural  de MS.  

O supervisor de campo do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/MS), Custódio Júnior, informou que devido aos preços e a demanda de mercado, houve a concentração maior de vendas dos produtores.

De acordo com ele, em entrevista ao Mercado Agropecuário do Sistema Famasul, de janeiro a junho deste ano é possível avaliar a produtividade por hectares desses produtores que ficou em média de 30 kg/hectare.  

“Dessa forma espera-se um aumento de produção e receita para os produtores de ovinos para o 2° semestre”, justificou, Custódio Junior.

Exportação

Entre janeiro e maio de 2022, o Brasil exportou 25,1 toneladas e faturou US$ 256,7 mil. Se comparado ao mesmo período de 2021, o volume embarcado para este ano é 13,82% maior.