Região Sul-Fronteira de MS é destaque no manejo biológico da soja

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Levantamento biológico da safra 2020/2021 de soja – divulgado nesta semana pela Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul) – identificou que a região Sul-Fronteira é a que mais faz uso de produtos biológicos em Mato Grosso do Sul. Os técnicos coletaram informações com produtores e gerentes das propriedades. 

A região Centro também se destaca no uso de biológicos. Em todas as outras, o uso está abaixo ou igual a 35%. Foram visitados 1202 propriedades e 831 produtores nas etapas de plantio e desenvolvimento da soja. Segundo o levantamento, 68% dos produtores entrevistados não adotaram o uso de produtos biológicos, sendo que 52% não souberam informar o motivo da não utilização.

De acordo com as informações divulgadas, 54% dos produtores utilizam o controle à base de fixadores de nitrogênio, 18% com nematicida biológico e 14% com fungicida microbiológico, outros 7% através de promovedores de ação microbiológico, 3% inseticida microbiológico, 2% bactericidas microbiológicos e apenas 1% adubo microbiológico.

O levantamento foi realizado em parceria com a Semagro (Secretaria de Estado e Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), por meio de recursos do Fundems e o apoio do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul.