Produção de grãos deve ter queda de 3% em MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Mato Grosso do Sul terá produção de grãos 3% menor em 2021, conforme dados divulgados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em seu nono levantamento da safra de grãos.

De acordo com os dados, a produção está estimada em 19,93 milhões de toneladas na safra 2020/2021, 610 mil toneladas a menos no comparativo com o desempenho da safra 2019/2020, de 20,54 milhões de toneladas.  

A companhia encolheu a projeção de recorde na produção de grãos do Estado. A estimativa anterior apontava que a safra 2021 seria 8,5% maior que no ano anterior e atingiria 22,28 milhões de toneladas.

Já a projeção de aumento de área semeada no Estado se mantém, a estimativa é de que sejam cultivados 5,41 milhões de hectares, ou o equivalente a uma variação positiva de 7,7% em comparação à safra anterior, quando foram registrados 5,02 milhões de hectares em Mato Grosso do Sul.

A produtividade por hectare deve diminuir, segundo a Conab. No ciclo passado, o Estado produziu 4.085 kg por hectare, na safra atual a estimativa é de 3.688 kg/ha, redução de 9,7%.

O principal motivo para a redução das projeções de produtividade são as condições climáticas adversas registradas durante o cultivo da segunda safra.

REGIONAL

As entidades regionais também acompanham a produção dos principais cultivos. Segundo os dados do Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio (Siga-MS), mesmo com atraso na implantação das lavouras, a soja safra 2020/2021 registrou recorde de produção.  

Com crescimento de 17,8%, foram colhidas 13,30 milhões de toneladas da oleaginosa ante 11, 32 milhões de toneladas colhidas no ciclo anterior. A maior colheita de soja da história do Estado. 

A produção da safrinha, no entanto, deve encolher. A estimativa de área plantada para o milho 2020/2021 é de 2 milhões de hectares, aumento de 5,7% ante 1,89 milhão de hectares na safra passada.

A produtividade estimada é de 75  sacas por hectare, gerando uma produção de 9,01 milhões de toneladas. Queda de 15% em relação ao ciclo anterior, quando a safrinha atingiu 10,61 milhões de toneladas.

NACIONAL

No País, a expectativa é que a produção atinja 262,13 milhões de toneladas no período 2020/2021, segundo o levantamento divulgado ontem (10).

Apesar da queda de 9,57 milhões de toneladas comparada à estimativa do mês anterior, o volume total a ser colhido ainda é superior à safra passada.

Principal cultura cultivada na segunda safra, o milho deve apresentar uma redução na produtividade impactado pela baixa ocorrência de chuvas entre os meses de abril e maio.

Com isso, a estimativa é que a produção total do cereal chegue a 96,4 milhões de toneladas, sendo 24,7 milhões de toneladas na primeira safra, 69,9 milhões na segunda e 1,7 milhão na terceira, uma redução de 6% sobre a produção de 2019/20.

“A queda esperada se deveao retardamento da colheita da soja e, em consequência, o plantio de uma grande parte da área do milho segunda safra fora da janela indicada”, detalha a companhia.

A soja é outro produto de destaque na produção nacional. A produção é um novo recorde estimado em 135,86 milhões de toneladas, 8,8% superior à produção da safra 2019/20. Resultado garante o Brasil na posição de maior produtor mundial de soja.