MS espera colher 12,773 milhões de toneladas de soja

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A área plantada de soja em Mato Grosso do Sul deve atingir um novo recorde na safra 2021/2022, com 3,776 milhões de hectares. Isso significa que a área destinada à cultura será de 7% maior em relação a safra 2020/2021. A produtividade média estimada é de 56,38 sacas/ha e a produção esperada é de 12,773 milhões de toneladas de soja. Os números foram apresentados pela Aprosoja/MS nesta terça-feira (28), no Canal do Boi, durante o lançamento do plantio, em virtude do fim do vazio sanitário.

Para o governador Reinaldo Azambuja, a previsão de redução da produtividade em relação à safra anterior se deve à incerteza climática. “Acho que isso [expectativa de volume menor da produção] é uma segurança principalmente do Siga, do programa da Aprosoja, diante da incerteza climática. Nós não sabemos como esse La Niña vai se desenvolver no período de plantio e de colheita. É muito mais uma segurança. A expansão da área é algo extremamente relevante no Estado. A gente saiu em seis anos de um aumento de área plantada em 76%. O aumento de produtividade nesse período foi de 10 sacas a mais. Isso é a ciência, a tecnologia, as variedades, a fertilização do solo, que mudou muito o perfil da pesquisa, com muito mais segurança ao produtor”, avaliou.

Reinaldo Azambuja também falou dos investimentos na diversificação e integração dos modais logísticos para escoar as produção e atrair investimentos, que vão agregar valor à produção. Porto Murtinho está recebendo terminais portuários; a contratação do consórcio que vai construir a ponte bioceânica foi homologada na sexta-feira (24); medida provisória do presidente Jair Bolsonaro permite o arrendamento e a revitalização da Malha Oeste; e a Ferroeste está na fase final do Evtea (Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental).

“Outros países têm uma logística muito mais competitiva. Qual o grande gargalo nosso? Avançar em uma logística de escoamento das riquezas produzidas e da importação dos insumos porque o custo da produção impacta tanto para você vender os produtos, quanto a importação dos insumos, dos fertilizantes. Fizemos uma grande plataforma de investimentos do Governo do Estado, que são as rodovias novas, pavimentadas, as pontes de concreto, e criamos um grande programa de portos no rio Paraguai”, contou o governador. “É inconcebível pensar que hoje 95% da produção sul-mato-grossense é transportada por caminhões, que não têm a mesma competitividade. O custo é maior”, acrescentou.

Para o secretário Eduardo Riedel (Infraestrutura), são investimentos que conferem competitividade a Mato Grosso do Sul. “O investimento nos três modais dá competitividade ao agronegócio e atrai indústrias que geram valor aos nossos produtos. Recebemos empresários em busca do apoio do Estado e temos essa capacidade de gerar o investimento”, disse.

No último dia 15 de setembro, acabou o período de vazio sanitário da soja no Mato Grosso do Sul e já é permitida a semeadura da soja em todo o território estadual. Estudos da Fundação MS mostram que o setor está investindo cada vez mais em tecnologia para ter maior desempenho no campo. A data-limite de início do cultivo é 31 de dezembro e o prazo para cadastro das áreas que serão direcionadas ao cultivo de soja junto à Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) termina no dia 10 de janeiro de 2022.

O presidente da Aprosoja/MS, André Dobashi, destacou que os resultados obtidos pelos produtores rurais se devem ao uso das tecnologias. “São mais de 10 anos que representam o nível tecnológico e o empenho sustentável do agricultor sul-mato-grossense. Essa área avançou de 1,7 milhão para 3,5 milhões de hectares na última safra, em cima de áreas antropizadas ou substituindo culturas já existentes, como pastagem e cana-de-açúcar”, afirmou.

Conforme o secretário Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), de 2015 até agora o Estado incorporou 1,2 milhão de hectares novos na agricultura, graças ao emprego de tecnologia e políticas públicas que garantem a conversão de áreas com sustentabilidade. “Também temos transformado nossas commodities agregando valor à produção e aumentando a demanda pelos grãos. Prova disso que temos 27,15% da safra comercializada sem nem ter sido plantada”.

Já o presidente da Famasul, Marcelo Bertone, disse que os resultados das colheitas agrícolas em Mato Grosso do Sul se devem à aptidão do Estado, ao uso de tecnologias cada vez mais avançadas e às políticas públicas, como a melhoria e implementação de estradas e pontes, dando competitividade à produção.