Estado entra no período de vazio sanitário da soja por 90 dias

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
05/7/2017- Brasília- DF, Brasil-Fiscalização do vazio sanitário da soja é intensificada Planaltina, Com o início do vazio sanitário da soja, período em que os produtores devem eliminar as plantas vivas do cultivo, a fiscalização foi intensificada. Desde 1º de julho, equipes da Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural podem aplicar multas a quem descumprir a medida. Foto: Tony Winston/Agência Brasília/FotosPúblicas

O vazio sanitário da soja teve início oficialmente em Mato Grosso do Sul no dia 15 de junho. No período de 90 dias fica proibido o cultivo do grão, sob risco de penalidades.

A campanha realizada pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) e a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro), tem a parceria da Associação dos Produtores de Soja de MS (Aprosoja/MS) e Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul).

O período de plantio da oleaginosa no Estado acontece entre os dias 16 de setembro a 31 de dezembro e o cadastro de área plantada é obrigatório, devendo ser realizado no site do Iagro (www.servicos.iagro.ms.gov.br/plantio) no período entre 1º de setembro e 10 de janeiro ou até mesmo fora dele.

O vazio sanitário é crucial para evitar a expansão de focos de ferrugem asiática nas lavouras, sendo a doença de maior expressão da cultura da soja.

O titular da Semagro, Jaime Verruck lembra que o Estado tem mantido uma parceria muito profícua com o setor produtivo através das instituições que os representam, citando a Famasul, Aprosoja e os sindicatos rurais em todo o Estado. Para ele, no momento vivido com a pandemia é fundamental que essas alianças estejam fortalecidas para que a produção não seja descontinuada em nenhum setor e o alimento chegue a mesa do consumidor.