Com 7,5 mil toneladas, Estado bate recorde na exportação de carne suína

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

As boas práticas na produção da suinocultura em Mato Grosso do Sul consolidam a atividade e potencializam os resultados. De janeiro a maio de 2021, o volume das exportações de carne suína in natura foi de 7,5 mil toneladas, superando em 107% o mesmo período de 2020. Em dez anos, este é o maior volume registrado neste intervalo, recorde que é o tema da editoria #MercadoAgropecuário desta segunda-feira (21).

 A carne in natura inclui carcaças e meio, carcaças frescas e resfriadas, além de outras carnes refrigeradas que não passaram por nenhum processo de industrialização. Em receita, as exportações totalizaram U$ 13,3 milhões, aumento de 131% no faturamento para este intervalo. 

A expectativa é que Mato Grosso do Sul aumente sua participação nos embarques desta proteína até o final do ano. “A China, assim como outros países da Ásia e da Europa, foram e continuam sendo impactados pela Peste Suína Africana. O cenário possibilita que o Brasil mantenha um bom ritmo nas vendas e permita assim, uma presença ainda maior do estado na comercialização deste produto”, avalia a analista técnica do Sistema Famasul, Eliamar Oliveira.  

Entre os principais destinos da carne suína sul-mato-grossense se destaca Hong Kong, com 63% do volume. Já Cingapura que, até 2019, não configurava entre os destinos da proteína, desde o ano passado ocupa a segunda posição no ranking dos clientes.

 Produção

De janeiro a maio deste ano o estado produziu 1,05 milhão de cabeças de suínos para abate. O número é 6,89% maior em relação aos 985 mil animais abatidos em igual período de 2020. “A alta mostra que, apesar do desafio com os custos de produção mais elevados, o suinocultor mantém o investimento e responde aos estímulos da demanda”.

Preço

Para o mês de maio, a referência do preço de suíno vivo no estado foi de R$ 5,60 o quilo. Comparado ao mês de abril, a alta foi de 1,82%, com valorização de 36,58% frente a maio de 2020, quando registrou R$ 4,20. No acumulado do ano, o preço médio foi de R$ 5,78, alta de 35,68% em relação ao mesmo período do ano passado.