Mais de 80% da safra de milho de MS está em boas condições, diz Aprosoja

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Com as recentes quebras da safra de soja, e da segunda safra do milho em 2021, produtores rurais de MS olham cada vez mais para o clima no estado. 

A expectativa é de se preparar para que as intempéries não afetem a produtividade como foi nas últimas temporadas.  

A tensão, no entanto, parece ter dado espaço para o otimismo. 

Em entrevista ao Correio do Estado na edição publicada no dia 6 de maio, o presidente do Sindicato Rural de Dourados, Angelo Ximenes, dizia que parte das perdas da última safrinha podem ser recuperadas. 

“Estão todos animados, deve vir boa. É difícil falar [em recuperação dos prejuízos], mas dá uma aliviada grande”.

De acordo com comunicado da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aporsoja-MS), mais de 80% da safra do milho em MS está em boas condições.  

A estimativa de área plantada é de 1,9 milhão de hectares, com redução de 12,6% em relação à safra de 2020/2021.  

A produtividade estimada é de 78,13 sacas por hectare, com expectativa de produção de 9,34 milhões de toneladas.  

As lavouras que apresentam boas condições correspondem a 82,2%, enquanto aquelas em condições regulares somam 11,6%, e as consideradas em condições ruins representam 6,2%.  

Esse relatório confirma a declaração do Presidente da Aprosoja-MS, André Dobashi, na edição do dia 6 de maio. Segundo ele, a qualidade das lavouras de milho da região sul apresentadas naquela altura estava muito boa.  

“O milho foi bem plantado e nasceu em uma situação privilegiada, conseguiu aprofundar as raízes em fevereiro, e a situação é muito boa. Temos milho de qualidade muito boa nas lavouras de MS”.

Para a classificação das condições de lavoura, os técnicos do Sistema de Informações Geográficas do Agronegócio (Projeto SIGAMS), observaram critérios como a ocorrência de plantas daninhas, pragas, doenças, falhas de stand e demais sintomas causadores de redução de produtividade.  

O coordenador técnico da Aprosoja/MS, Gabriel Balta, ressaltou que há dois cenários em relação à geada ocorrida no início da semana. 

“O produtor que plantou fora da janela, no mês de abril, e estão com o milho entre V6 e R2, podem ter perda significativa. Aqueles que plantaram antecipadamente, na janela recomendada, e estão com o milho entre R4 e R6, já estão com baixo risco de perda”, explica.  

O responsável técnico lembra que os dados completos sobre os efeitos da geada estão em levantamento e serão divulgados nas próximas semanas. Os boletins de acompanhamento da safra são divulgados todas as terças-feiras.