Estado entra em alerta com avanço Peste Suína Africana no país

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) alertou para que os estados aumentem a vigilância em relação à entrada da Peste Suína Africana (PSA) no Brasil.

Ela é uma doença viral altamente transmissível que leva a altas taxas de mortalidades e morbidades e que afeta apenas os suínos. Além disso, pode acabar com a criação de porcos em um local.

Segundo a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), a peste é uma das doenças mais relevantes em relação ao comércio internacional de suínos. 

No Brasil, os primeiros registros da doença foi em 1978, no Rio de Janeiro. Conforme dados históricos, a Peste chegou ao país por meio de resíduos contaminados de alimentos provenientes de voos internacionais com origem em países onde a doença estava presente.

O último registro no país foi em novembro de 1981, no estado de Pernambuco. 

As medidas aplicadas pelo serviço veterinário oficial brasileiro fizeram com que a doença fosse erradicada, e o país ficou totalmente livre da PSA em 1984.

Atualmente, o Brasil é o quarto maior produtor e exportador mundial de carne suína. Produziu 4,436 milhões de toneladas em 2020 – cerca de 4,54% da produção mundial – e exportou 1.024 mil toneladas – 23% da produção nacional – para 97 países.

Medidas

Em reunião que aconteceu na última quinta-feira (12), a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (IAGRO) montou estratégias para monitorar e prevenir a doença em Mato Grosso do Sul. 

Entre os dias 18 e 27 de agosto, serão realizadas ações nos municípios de Coxim, Mundo Novo, Ponta Porã, Sonora e Corumbá, por seis equipes da Pasta. 

Eles irão distribuir materiais educativos e farão orientações aos criadores de suínos.