Concessão de crédito para safra 2022/23 tem alta de 53%, diz BB

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O Banco do Brasil já contratou R$ 11 bilhões em financiamentos a produtores rurais para a safra 2022/23, iniciada em 1.º de julho, 53% a mais do que em igual período de 2021. 

Em menos de um mês de vigência da nova safra, o banco efetivou 24,9 mil operações contratadas em 3 mil municípios, segundo dados antecipados com exclusividade ao Estadão/Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Do total, 43% dos contratos foram feitos para agricultores familiares e de médio porte, por meio do Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp). O banco prevê fornecer R$ 200 bilhões em financiamentos na safra 2022/23

“O Banco do Brasil consolida seu protagonismo no agronegócio, ampliando o apoio aos produtores e fomentando o crescimento dos negócios no campo e na cadeia produtiva da agropecuária”, disse Renato Naegele, vice-presidente de agronegócios, empréstimos e financiamentos.

Dado o crescimento expressivo do valor já desembolsado, o Banco do Brasil informou ainda que vai solicitar ao governo o remanejamento dos recursos, especialmente para operações a agricultores de pequeno e médio porte.

Valores

O Plano Safra 2022/2023 disponibilizará R$ 340,88 bilhões para apoiar a produção agropecuária nacional, Este é o maior em volume de recursos já empregado para a viabilização de um ciclo. 

O aumento é de 36% em relação ao Plano anterior, chegando a uma alta de 39% do total disponibilizado, no valor de R$ 246,28 bilhões, ao custeio e comercialização e 29% a mais para investimentos, totalizando R$ 94,6 bilhões.

Na definição das taxas de juros cobradas dos produtores, o governo deu prioridade aos beneficiários dos programas nacionais de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), como já vinham sinalizando membros do Executivo. Para o Pronaf, serão R$ 53,61 bilhões a juros anuais entre 5% e 6%. Para o Pronamp, o montante será de R$ 43,75 bilhões, com juros de 8% ao ano.

“Foi um plano de safra robusto apesar das taxas de juros serem altas porque a Selic não é a mesma do ano passado, mas comparando o plano atual com o anterior, ele atende muito o setor. Trata-se de um valor recorde, privilegiando sempre, como fizemos nesses três anos, os pequenos e médios produtores”, disse Tereza Cristina.