Com economia em retomada, saldo da balança comercial de MS chega a US$ 3,6 bi

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
Qualidade do grão pode ser usado como diferencial competitivo da soja brasileira. (Foto: Danilo Estevão).

A economia de Mato Grosso do Sul passa por um momento de plena retomada após a crise da covid-19, que afetou todo o mundo. A recuperação do setor, com projeção de melhoras, é possível ser verificada em vários indicadores, um deles é o saldo da balança comercial – que confronta os valores de exportação com os de importação.

Dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior divulgados pelo próprio Governo do Estado apontam exatos US$ 3,6 bilhões de saldo positivo acumulado entre janeiro e setembro deste ano.

Ou seja, o valor arrecadado nesse período com as exportações foi US$ 3,6 bilhões superior ao gasto no Estado importando produtos. Como é de praxe, o agronegócio é quem puxa a balança comercial para cima, tendo como principal comprador a China.

Na cotação atual do dólar, que fechou ontem (6) em R$ 5,51, o valor representa R$ 19,83 bilhões. Isso foi alcançado graças à venda de volume correspondente à US$ 5,42 bilhões para o mercado internacional, enquanto outros 1,82 bilhão de dólares foi pago em importações – o dólar é usado pois segue como moeda padrão no mundo.

Alta de 16,09% – Comparando o valor ao mesmo período do ano passado, Mato Grosso do Sul já soma em 2021 um aumento de 16,09% na balança comercial – o valor de 2020 foi de 4,6 bilhões de dólares em exportações e US$ 1,4 bilhão em importações.

Compilados na Carta de Conjuntura nº 71 da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), os números apontam que a soja e a celulose são os produtos responsáveis pela alta.

No caso do grão oleaginoso, sua venda ao mercado externo correspondeu a 37,69% do total comercializado por Mato Grosso do Sul, enquanto a celulose ficou com 20,93% – número que deve aumentar quando a maior unidade de fabricação de celuluse do mundo, da empresa Suzano, ser erguida e entrar em operação em Ribas do Rio Pardo.

Já com relação aos produtos que apresentaram aumento de valor exportado, destacam-se a carne bovina, com acréscimo de 27,93% em relação ao ano passado, e às carnes de aves -essas tiveram aumento de 28,5%. Outros produtos que tiveram bom desempenho foram os derivados da soja, que chegaram à marca de 56,29% a mais que em 2021.