Colheita de milho: Estado produziu mais de 6 milhões de toneladas

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A safra de milho teve redução de 40,8% da previsão feita inicialmente, sendo que a estimativa da colheita é de 6,285 milhões de toneladas, quase 3 milhões de toneladas a menos do que era esperado. 

A previsão foi feita com base no aumento da área plantada (que passou de 1,895 milhão de hectares para 2,003 milhões de hectares em um ano) e a possibilidade de se colher até 100 sacas por hectare, volume atingido na safra anterior.

De acordo com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), a redução foi devido aos problemas climáticos que Mato Grosso do Sul enfrentou, como chuva de granizo e estiagem na fase de maturação da planta.

Com informações da Pasta, houve perda total em algumas lavouras, devido à estiagem.

“Produtores preferem gradear a cultura ao invés de colher, haja vista que o custo com as máquinas torna a operação inviável”, informou em nota. 

No oeste, centro, sul e sudeste de Mato Grosso do Sul as condições das lavouras são ainda piores, o que juntas representam mais da metade da área plantada do estado.

Devido à queda de granizo que aconteceu no mês de maio, 6.890 hectares em Naviraí, 600 hectares em Amambai e 50 hectares em Coronel Sapucaia, sofreram prejuízos. 

Safra 2020/2021

Segundo o Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio (Siga), em Mato Grosso do Sul a colheita já está praticamente concluída, restando apenas 1% das lavouras para finalizar.

A colheita de 6,285 milhões de toneladas acende alerta em especialistas, pois acarreta uma série de problemas econômicos, de acordo com o especialista em Mercado Exterior Aldo Barrigosse. 

“Se a nossa produção é menor, o retorno para quem produz vai ser menor, a perspectiva de emprego será um pouco menor no campo, os investimentos no campo, em tecnologia, na compra de novos equipamentos – tudo tende a ser menor”, explicou Barrigosse.