Agronegócio criou 11% dos empregos gerado no ano em MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Nos sete primeiros meses deste ano, a agropecuária registrou uma participação de 11,09% na geração de empregos no mercado de trabalho formal em Mato Grosso do Sul. Os dados são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) que apontou um saldo de 3.484 novas ocupações no período. Este é o assunto do #MercadoAgropecário desta segunda-feira (06).

“A geração de emprego na agropecuária sul-mato-grossense nos primeiros sete meses de 2021 foi superior em duas vezes e meia o número de vagas de igual período de 2020, quando foram oportunizados 1.417 empregos”, explica a analista técnica do Sistema Famasul, Eliamar Oliveira.

Entre as principais atividades do setor, os serviços de apoio à agricultura foi a que mais empregou, participando de 29,85% das vagas, seguido pelo cultivo de cana-de-açúcar com 14,12%, apoio à produção florestal com 10,22% e criação de bovinos, ocupando 9,33%.

“O aumento expressivo traz consigo a fragilidade da base de comparação já que, nos primeiros sete meses de 2020, estávamos no período crítico da pandemia da Covid-19. Mas não há dúvida de que o bom desempenho experimentado pela agropecuária tenha elevado as contratações, portanto o crescimento no número de vagas em 2021 ratifica o resultado positivo do setor”, relata Eliamar.

Dos contratados, 50,72% possuem nível médio completo, totalizando 1767 novas posições na área. Os 49,28% restantes estão divididos entre nível fundamental completo e incompleto e superior completo.

A faixa etária com maior destaque na agropecuária é de 18 a 24 anos com 32,98%, seguida pelas idades de 30 a 39 com 27,32%. Os trabalhadores com 25 a 29 anos ocupam 16,76% das vagas.