Açúcar é destaque na balança comercial de MS com faturamento 115% maior para o mercado externo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O mercado externo de Mato Grosso do Sul continua aquecido. As exportações de janeiro a julho acumulam saldo de US$ 2,8 bilhões, sendo o resultado 16,5% maior que o mesmo período de 2020. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (5) pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Conforme a análise feita pela equipe econômica da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e publicada na Carta de Conjuntura, as exportações somam US$ 4,232 bilhões nos sete meses do ano, enquanto as importações acumulam US$ 1,340 bilhão.

Com relação aos principais produtos exportados de janeiro a julho, a soja em grão aparece como primeiro na pauta de exportações, sendo responsável por 40,91% do total no Estado. No faturamento com as exportações há aumento de 25,82%, enquanto no volume houve crescimento de 0,87%.

Em termos de grãos, o milho aparece em oitavo no ranking, com participação de 2,46% na balança comercial e crescimento de 139% no faturamento das exportações. “Assim como a soja, o milho é sazonal, o que significa que o volume enviado ao mercado externo oscila ao longo do ano. Com o fim da safra a tendência é as vendas aumentarem”, afirma o titular da Semagro, secretário Jaime Verruck.

O segundo produto mais exportado em 2021 é a celulose, com 20,21% de participação e redução, em termos de valor, de 16,7% em relação ao mesmo período de 2020. A queda é puxada principalmente pelo preço de comercialização da commoditie no mercado externo.

Destaque para o açúcar que passou de 2,4% para 4,39% a participação na balança comercial em 2021 e ainda teve aumento de 115% no faturamento das vendas ao mercado externo. A carne bovina, o farelo de soja e o minério de ferro também apresentaram aumento nas exportações e na participação no Estado.

Em relação aos produtos importados, Mato Grosso do Sul continua com a pauta concentrada na importação de gás boliviano, mas com queda de 6,76% no faturamento do combustível comprado da Bolívia no primeiro semestre de 2021 em relação ao mesmo período do ano passado.

A China se mantém como principal parceiro internacional de Mato Grosso do Sul, sendo responsável por comprar 50,5% de tudo que o Estado exporta. Em 2021, elevou em 15,5% as importações, seguido pelos Estados Unidos que aumentaram 36% a compra de produtos estaduais e representam 4,76% do mercado.