Redução do ICMS na bandeira vermelha começa a valer a partir de setembro

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Conforme publicação do Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (27), a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na conta de energia vai valer a partir de 1º de setembro.

O desconto será aplicado apenas quando a tarifa estiver na bandeira vermelha, instituída pelo Sistema de Bandeira Tarifária instituído pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A medida vigorará durante os exercícios de 2021 e 2022. A partir de 2023, o imposto voltará a ser cobrado normalmente em todas as bandeiras.

A redução será de:

  • 15% para comerciantes, industriais, produtores, residências cuja consumo seja menor que 200 KW/h, iluminação pública, poderes e serviços públicos;
  • 18% para consumidores residenciais com consumo mensal de 201 KW/h a 500 KW/h;
  • 23% para consumidores residenciais com consumo mensal seja acima de 500 KW/h.

O economista Eugênio Pavão explicou que quando existe uma redução tributária, geralmente há a compensação em outras áreas para equilibrar as contas.

“Mas nessa pandemia, o governo está abrindo mão de recursos para tentar recompor a arrecadação através do aumento do consumo de energia, fazendo crescer o PIB e retomar o crescimento econômico”, apontou.

Mato Grosso do Sul arrecadou no primeiro semestre deste ano R$ 1,4 bilhão em ICMS. Aumento de aproximadamente 16% referente ao ano anterior, quando foi de R$ 1,2 bilhão.

“Na contramão, o governo federal já disse que vai reajustar o valor da bandeira vermelha, possivelmente zero, ou deixando negativo a redução do ICMS”, afirmou Pavão.