Queda do poder de compra preocupa construção civil no Estado

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
No país, o custo nacional da construção, por metro quadrado, que em fevereiro havia fechado em R$ 976,82, em março subiu para R$ 984,81

Apesar de o setor da construção civil e imobiliário continuarem aquecidos em Mato Grosso do Sul, o baixo poder de compra do consumidor tem preocupado representantes do mercado. 

Além do aumento dos materiais para construção, com a inflação a acelerada  a população perde a capacidade de comprar.

De acordo com o presidente da Associação dos Construtores de Mato Grosso do Sul (Acomasul), Diego Canzi Dalastra, essa questão tem preocupado pois não se sabe, também, como estará o poder de compra ao final da obra, quando terá o custo final.

“O  setor da construção civil continua aquecido. O problema é que o mercado ainda não conseguiu passar completamente o aumento dos materiais.” 

“A preocupação está justamente aí, quando repassar o aumento total dos materiais, o valor da parcela dos financiamentos imobiliários, consequentemente, vai subir por conta do valor do imóvel que sobe e aí ele não cabe dentro do poder de compra do consumidor”, destaca Dalastra.

“O cenário hoje é preocupante, é um alerta porque a gente  não sabe como isso vai se comportar, como a nossa cadeia produtiva é uma cadeia longa, eu inicio uma obra hoje, com expectativa de ela ficar pronta daqui 6, 10, 12 meses.”

“Então, eu só tenho meu custo final daqui a alguns meses. E aí que eu vou precisar ter o recurso financeiro lá na frente”, acrescenta.

Paralelo a isso, o presidente da Acomasul lembra que os materiais continuam em falta, com prazo de entrega prolongado, além dos materiais de construção e os juros imobiliários terem tido majoração.