Nova Ferroeste é apresentado a investidores antes de ir a leilão

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O projeto da Nova Ferroeste, ferrovia que vai ampliar o escoamento e dar mais competitividade à produção do agronegócio sul-mato-grossense por meio dos portos paranaenses, começou nesta semana a ser apresentado a investidores internacionais antes de ir à leilão na B3. A sondagem de mercado iniciou na quarta-feira (1º) e segue até dia 8 de dezembro.

Entre possíveis investidores já inscritos para conhecerem as potencialidades do projeto, estão construtoras, operadores ferroviários e fundos de investimentos do Brasil, Itália, Espanha, China e Emirados Árabes. Nesta quinta-feira (2) e sexta-feira (3), o coordenador do Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário, do Governo do Paraná, Luiz Henrique Fagundes, recebe os executivos do CRCCII e CR20 Brazil, fundos de Investimento chineses interessados no projeto.

De acordo com o secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), este é mais um avanço do processo de preparação para que o projeto seja apresentado ao mercado. “A Nova Ferroeste entra agora numa fase fundamental, que é a apresentação do projeto a potenciais investidores. É importante que ele receba essa visibilidade para que tenha o nível de interessados no momento em que for a leilão na B3. A previsão estimada de taxa de retorno de investimento para a Nova Ferroeste é de 11% ao ano e o payback (tempo de retorno sobre o investimento inicial) de 17 anos”, afirmou.

A ferrovia Nova Ferroeste tem uma extensão total de 1.304 quilômetros. Os trilhos dessa nova malha ferroviária deverão ser, em princípio, de bitola mista (estreita e larga), vão entrar em Mato Grosso do Sul pelo município de Mundo Novo e seguirão pelo Estado passando por Eldorado, Iguatemi, Amambai, Caarapó, Dourados e Itaporã, até chegarem a Maracaju. No Paraná, o projeto ainda engloba um novo traçado entre Guarapuava e Paranaguá; um ramal multimodal ligando Cascavel e Foz do Iguaçu; além da revitalização do atual trecho da Ferroeste, entre Cascavel e Guarapuava.

O empreendimento é fruto de parceria dos governos de Mato Grosso do Sul e do Parana, em conjunto com o Governo Federal e a sondagem de mercado faz parte do PPI (Programa de Parcerias e Investimentos), do Ministério da Economia. Durante os encontros com investidores, será apresentado o Estudo de Viabilidade Técnica Ambiental e Jurídica (EVTEA-J).

“Em novembro, nós entregamos o EIA-RIMA da Nova Ferroeste ao Ibama e pedimos celeridade no processo de licenciamento ambiental. Essa apresentação o mercado permite que os investidores conheçam detalhes do projeto, o nível de retorno do investimento, bem como o andamento dos trâmites burocráticos e todo o cronograma”, finalizou o secretário Jaime Verruck. A previsão é de que a Nova Ferroeste, inicie suas operações com o transporte de 38 milhões de toneladas de produtos.