Preços de remédios aumentaram para 43% da população, aponta pesquisa

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Pesquisa realizada com 2 mil pessoas em todo o País indica que a maioria da população acredita que os preços dos produtos em geral e, especificamente, dos medicamentos, aumentaram muito, com índices de 27% e 43%, respectivamente. A percepção é maior entre as mulheres, onde o percentual chega a ultrapassar os 70%.

O levantamento foi feito pelo Instituto de Pesquisas Paraná nos 26 estados e no DF (Distrito Federal) com 2.002 habitantes de 152 municípios. As abordagens presenciais foram feitas de 12 a 16 de junho. O grau de confiança, segundo o instituto, é de 95%.

A população foi questionada se o preço dos remédios foi elevado nos últimos 30 dias e em qual grau: 43% acreditam que muito, 34,6% disseram que aumentou, 18% que permanecem iguais  somente 1,4% disse que diminuiu. Não sabe ou não opinaram, 3,1%.

A percepção de que aumentou muito prevalece entre mulheres, 49,1%, ficando com 35,5% entre os homens. Para 21,6% deles, no entanto, os valores permanecem iguais e, para elas, 15% no mesmo patamar.

Na faixa dos 60 anos ou mais, também se considera aumento maior dos preços dos remédios, 55,9% entre os pesquisados. À medida que a faixa etária vai caindo, este índice também decresce: dos 45 aos 59 anos, 48,7% acreditam que preços se elevaram muito e, por último, com 27,8%, esta avaliação foi dada por pessoas com idade de 16 a 24 anos.

Em relação aos estados, a população do Nordeste considerou os preços mais caros, 42,9%, com empate entre Norte+Centro-Oeste e Sudeste, 42,9%.

Em relação ao preço dos produtos em geral, 27% dos entrevistados acreditam que aumentou muito, 4,6% que permanece igual, 1,4% que foi reduzido e 1,1% não sabe ou não opinou.

Novamente, prevalece entre as mulheres a percepção de maior elevação dos preços, 71,4%, enquanto que esta classificação corresponde a 59,9% entre os homens.

CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS