Pela 3ª vez em agosto, preço da gasolina sobe em MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O preço médio da gasolina registrou aumento de 1,88% na última semana em Mato Grosso do Sul. É o que levantamos realizado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), com dados até este sábado (21). Em agosto, o combustível registrou alta em todas as três semanas do mês. 

Desta forma, com uma alta registrada na última semana de julho, a gasolina soma um mês de alta nos preços no Estado.

De acordo com o levantamento da ANP, o preço médio do litro da gasolina comum em Mato Grosso do Sul é de R $ 5.956.

Considerando os preços mínimo e máximo, o combustível foi encontrado sendo comercializado por R $ 5.769 em um dos postos de combustíveis ea R $ 6.430 em outro.

Pesquisa foi realizada em 62 postos de combustíveis do Estado, entre os dias 15 e 21 de agosto.

Conforme o levantamento, de uma semana para outra, o litro da gasolina teve aumento de 1,88%, saltando do valor de R $ 5.846 comercializado na semana anterior para os R $ 5.956 nesta última.

Na primeira pesquisa do mês, divulgada no dia 7 de agosto, o preço médio era de R $ 5.790.

Considerando este valor, no mês de agosto, o combustível acumula alta de 2,87% no Estado.

Em Campo Grande, o preço seguiu a tendência do Estado, fechando uma semana com o litro da gasolina a R $ 5.895, o que representa um aumento de 2,04% em relação à semana anterior, quando o valor médio foi de R $ 5.777 .

Nos 32 postos pesquisados ​​na Capital, o preço varia de R $ 5.769 a R $ 6.099.

No mês, a alta acumulada é de 2,63% na Capital.

Corumbá é uma cidade do Estado onde a gasolina é mais cara, comercializada no preço médio de R $ 6.414.

Na cidade, o preço mais baixo comercializado é de R $ 6.400 e o maior é de R $ 6.430 o litro.

No comparativo com a semana passada, quando o preço médio era de R $ 6.311, a alta é de 1,63%.

Inflação

A gasolina é uma das vilãs da informação de Campo Grande, que fechou o mês de julho em 0,79%, impulsionada pelo reajuste no combustível e na energia elétrica.

Dos nove grupos de produtos e serviços, sete tiveram alta de preços no mês passado.  

Os maiores impactos encontrados foram nos grupos de Alimentação e Bebidas, e Habitação (0,28 pp), com 1,32% e 1,87%, respectivamente.

A alta do setor de Habitação foi pressionada pela alta da energia elétrica (3,85%), que acelerou em relação ao mês de junho (2,68%).  

Em Transportes com 1,17%, tendo impacto de 0,26%, o efeito positivo partiu da gasolina, com elevação de 1,31%.

O combustível acumula 25,59% de aumento em 2021, e 41,35% em 12 meses.