MS deve ser beneficiado com energia extra de outras fontes em leilão da Aneel

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
Ibiraci (MG) – O ministro Moreira Franco participa da inauguração da linha de transmissão de energia que liga a Hidrelétrica de Belo Monte ao Sudeste do País. A construção do linhão é parte do Agora, é Avançar Parcerias (Beth Santos/Secretaria-Geral da PR)

Mato Grosso do Sul deverá ser um dos estados beneficiados através de leilão da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) para contratação de energia elétrica extra. Conforme informativo da agência, unidades federadas do Sudeste, Centro-Oeste e Sul foram as mais prejudicadas com a falta de chuvas o que ocasionou baixa nos reservatórios e consequente risco de “apagão”.

O edital do PCS (Procedimento Competitivo Simplificado) aprovado hoje, informa que o objetivo é contratar energia de reserva proveniente das fontes eólica, solar fotovoltaica e termelétrica a óleo diesel, a óleo combustível, a biomassa e a gás natural. Elas devem ter conexão nos submercados Sudeste/Centro-Oeste/Sul.

A sessão pública de lances será realizada em 25 de outubro de 2021, com transmissão ao vivo no portal da CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) e os contratos devem ser assinados em 17 de novembro. O período de suprimento para todos os contratos será de 1º de maio de 2022 a 31 de dezembro de 2025.

Para facilitar a contratação, a ANEEL, o ONS (Operador Nacional do Sistema) e a Câmara de Comercialização deverão reduzir prazos, simplificar requisitos, quando couber, e editar rotinas operacionais provisórias, regras e procedimentos de comercialização transitórios de modo a viabilizar o suprimento em tempo reduzido.

As empresas geradoras de energia interessados no leilão devem enviar suas propostas entre os dias 15 e 18 de outubro. O preço-teto da energia, estabelecido pelo Ministério de Minas e Energia, será de R$ 1.619 megawatt-hora (MWh) para as termelétricas e de R$ 347 MWh para usinas eólicas, solares e de biomassa.