Grupo empresarial planeja construção de 4 hidrelétricas em MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Mato Grosso do Sul deve receber até 2023 a instalação de quatro pequenas centrais hidrelétricas (Pchs) ao longo do Rio Pardo, com capacidade para geração de até 130 megawatts (MW) de energia. Detalhes da proposta para  a implantação das centrais hidrelétricas foram apresentados ao governador Reinaldo Azambuja e ao secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), nesta quinta-feira (21), na Governadoria.

“Com o inventário de potencial hidrelétrico do Rio Pardo, onde identificamos a capacidade de instalação de sete PCHs dentro dos critérios ambiental, social e econômico, o Grupo Flamarpar tomou a decisão de construir quatro dessas sete centrais em um projeto que prevê investimento de R$ 600 milhões”, explicou Verruck.

A notícia da implantação das quatro PCHs, para o governador Reinaldo Azambuja, é importante e positiva sob dois pontos de vista: “da crise energética, onde temos a necessidade de desenvolvimento de uma produção de energia, e também da característica da PCH, que tem uma produção permanente e de baixo impacto ambiental”.

Como contrapartida para o investimento privado, de acordo com o secretário Jaime Verruck, o Governo do Estado se comprometeu em atender algumas demandas na área de infraestrutura em Ribas do Rio Pardo, como a construção de uma ponte e um desvio na MS-345.

“Nós assumimos que até metade do ano que vem todo o processo de licenciamento estará pronto para que eles possam iniciar as obras em 2023. A previsão é de que essas obras comecem em março de 2023. Antes, faremos toda a contratação, execução dos projetos, licenciamento ambiental e operação”, explicou Jaime Verruck.

“Isso tem um impacto muito positivo para o Estado. Está dentro de nossa estratégia de desenvolver projetos de energia limpa e aproveitar nosso potencial, sempre olhando o menor impacto ambiental possível”, completou o secretário.

Inventário inédito

Mato Grosso do Sul foi o primeiro Estado do Brasil a mapear os potenciais hidrelétricos de um rio. Com o “Inventário Participativo de Potencial Hidrelétrico do Rio Pardo”, elaborado em 2019 em parceria com a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), o Estado garantiu segurança jurídica e ambiental para empresários que desejam investir na geração de energia no Estado.

Bruno Chaves, Subcom