Estado terá repasse extra de R$ 179,7 milhões até 2025

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O Congresso Nacional assegurou a receita extra de R $ 179,7 milhões para os 79 municípios sul-mato-grossenses até 2025 ao promulgar no dia 27 de outubro, a Emenda Constitucional n ° 112/21. O texto aumenta em 1% do repasse da União para o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) a partir do ano que vem.

O texto estipula que a União deve repassar para os municípios 23,5% da arrecadação com o Imposto de Renda e com o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que compõe o FPM.

Atualmente, são médicos 22,5%. O adicional de 1% deve ser depositado no Fundo no início de setembro de cada ano, sendo que o download terá o incremento gradual, iniciando com o percentual de 0,25% no próximo ano até chegar a 1% em 2025.

Desta forma, de acordo com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), no ani que vem os gestores municipais sul-mato-grossenses vão receber R $ 16.095 milhões; em 2023 o valor vai para R $ 21.531 milhões; em 2024 para R $ 45.538 milhões, e em 2025 chega a R $ 96.587 milhões. 

Para todos os municípios do Brasil o valor a ser repassado a partir de 2025 vai ser de R $ 6.585 bilhões, de acordo com o estudo da CNM.

Durante a cerimônia, o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, enfatizou que: 

“Hoje é um momento de agradecermos. É o momento de os Municípios virem aqui e dizer a importância desse avanço. Esse trabalho representa agora, uma vez implementado o 1% do FPM de setembro, R $ 15 bilhões anualmente para os Municípios do Brasil. Isso é muito significativo, porque entra com despesa disponível, não vinculado e não entra na diminuição dos 20% do Fundeb. Portanto, é um valor significativo para os prefeitos tentarem tornar difícil a realidade financeira. Hoje é dia de comemorar. Desse repasse, 25% vai para a Saúde, 15% para a Educação, ou seja, vai para o remédio, para o combate à pandemia e outras ações ”.

Participaram da solenidade de promulgação do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), e o ex-senador Raimundo Lira (PSD-PB), primeiro relator do PEC, e o presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).