CPI da Energisa volta a investigar abusos na prestação de serviços públicos em MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) instalada na Assembleia Legislativa para investigar abusos na prestação de serviços pela concessionária de distribuição de energia elétrica, especialmente quanto às denúncias relacionadas com a aferição dos medidores e fixação das taxas de cobrança, vai retomar os trabalhos a partir de julho em Mato Grosso do Sul.

De acordo com o deputado Barbosinha (DEM), vice-presidente da Comissão na Assembleia, essa retomada será possível porque o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) rejeitou o mandado de segurança impetrado pela Energisa, que barrava a realização da perícia em 200 relógios medidores de energia encaminhados para análise de uma equipe técnica do laboratório da USP de São Carlos-SP. Os trabalhos da CPI estavam suspensos desde março do ano passado, por conta dessa liminar.

Barbosinha participou de reunião com os demais membros da Comissão e o presidente da CPI, deputado Felipe Orro (PSDB), realizada na tarde desta quinta-feira (17), na Assembleia Legislativa, “quando decidimos pela retomada dos trabalhos, após esse obstáculo ter sido resolvido na Justiça, para que a sociedade possa voltar a ser ouvida e tenha parte nas discussões sobre a melhor alternativa que haveremos de encontrar para evitar maior sobrecarga e ônus tributários ao contribuinte”.