Com taxa de juros reduzida, expectativa é por uma maior procura pelo FCO Empresarial

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Ampliar o acesso dos empresários ao crédito do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO) Empresarial com taxas de juros menores. Esta é a principal vantagem da resolução do Banco Central que prevê que a partir de maio, será possível escolher entre taxa pré-fixada ou pós-fixada no FCO Empresarial. Com a medida em vigor, a expectativa da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) é que a demanda dos empresários pela linha seja ampliada em 2022. A expectativa foi apresentada pelo secretário Jaime Verruck, da Semagro, na manhã desta segunda-feira  (14) durante o evento FCO Mais, promovido pela Fiems, que detalhou as vantagens das novas taxas de financiamento ao empresariado.

A alíquota que hoje varia de 13% a 14% cairá para em média 6,5% dentro da nova sistemática das mudanças nas taxas de juros do FCO Empresarial que vale a partir de 2 de maio. O evento ocorreu na Fiems e reuniu os presidentes da Fecomércio, Fames, Famasul e Banco do Brasil. Com as taxas menores que poderão ficar em 6,5% ao ano, a estimativa do governo do Estado é que mais empresários possam ter acesso ao crédito. “Existe um represamento do setor empresarial por conta da elevação da taxa de juros. Para se ter uma ideia de como a taxa de juros atual impacta no FCO, 70% das operações feitas em janeiro e fevereiro foram no rural. A partir dessa modificação, esperamos ter um aumento da demanda”, destacou.

O secretário ainda chamou a atenção para o valor recorde disponibilizado para contratação de empréstimos via FCO neste ano em Mato Grosso do Sul: R$ 2,3 bilhões. Metade desse volume deve atender projetos nas áreas de indústria, comércio, serviços, turismo e infraestrutura.

A redução nas taxas de juros cobradas na modalidade empresarial do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) deve impulsionar a procura por linhas de crédito por parte do empresariado em 2022. A expectativa é que cerca de R$ 1,15 bilhão disponíveis no fundo sejam integralmente utilizados para apoiar projetos nos segmentos da indústria, comércio, serviços, turismo e infraestrutura.

O superintendente de Indústria, Comércio e Serviços da Semagro, Bruno Gouveia Bastos, destacou a importância desta mudança para destravar projetos empresariais que estavam a espera de melhores condições para o seu desenvolvimento.

Resolução do BC reduziu taxa de juros

De acordo com a resolução do Banco Central, a nova fórmula do cálculo de juros passa a vigorar em maio. No entanto, o empresário não precisa aguardar o mês de maio para contratar o FCO, como explica o superintendente de varejo do Banco do Brasil em Mato Grosso do Sul, Gustavo Arruda. “Ele pode fazer a contratação agora e, em maio, fazer a alteração da taxa, se assim desejar. Outro benefício é com relação às operações contratadas de 2018 para cá. O empresário tem a opção de fazer a alteração para a taxa pré-fixada a partir de maio até o fim do ano. Lembrando que a alteração poderá ser feita uma única vez”, explicou.

Para auxiliar nos pedidos de empréstimo junto ao Banco do Brasil, a Fecomércio-MS (Federação do Comércio de Mato Grosso do Sul) está colocando consultores à disposição do empresariado. O anúncio foi feito durante o evento FCO Mais pelo presidente da entidade comercial, Edison Ferreira de Araújo. “Temos um canal direto, por onde poderemos colaborar com nossos segmentos, no sentido de apoiá-los com essa consultoria e na montagem dos projetos que serão exigidos”.

O FCO Empresarial é aberto a todos os empresários que atendem aos pré-requisitos do programa em diversos segmentos econômicos. Atualmente, o FCO libera financiamentos com prazos de até 20 anos, com taxas competitivas no mercado. As regras do fundo determinam que 80% dos recursos precisam ser alocados em projetos de micro e pequenas empresas