Cofres do MS fecham último bimestre com receita de R$ 3 bilhões

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Mato Grosso do Sul fechou o último bimestre – meses de julho e agosto – com uma receita bruta de R$ 3,04 bilhões, conforme publicação realizada na edição desta quinta-feira (30) no DOE (Diário Oficial do Estado) e assinada pelo chefe da Fazenda estadual, Felipe Mattos, e o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

O relatório resumido mostra ainda que, em 2021, a máquina estatal já conseguiu arrecadar R$ 11,21 bilhões, o equivalente a 71% dos R$ 15,72 bilhões previstos para o ano, em atualização orçamentária que consta no mesmo documento.

Tais números não levam em consideração as receitas intra-orçamentárias, ou seja, dinheiro que advém de autarquias, fundações ou empresas dependentes. Neste caso, a receita do bimestre foi de R$ 375 milhões, enquanto do ano está em R$ 1,3 bi.

O balanço oficial do Governo do Estado ainda traz detalhamento das despesas. No bimestre, o Mato Grosso do Sul viu sair de seus cofres para diversos fins R$ 2,41 bi, valor que no acumulado de janeiro a agosto, chega a casa dos R$ 11,07 bilhões.

Já incluindo as despesas intra-orçamentárias, são R$ 304 milhões registrados nos meses de julho e agosto, enquanto nos oito primeiros meses do ano, o valor alcançado foi de R$ 1,39 bilhões. As despesas aqui relacionadas são referentes às empenhadas.

Impostos e outros – Entre os principais arrecadadores do Estado, estão os impostos, que nos últimos oito meses, somam R$ 6,28 bilhões, sendo R$ 4,91 bi de ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) e mais R$ 295 milhões oriundos da cobrança de IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores).

Já o valor arrecadado no IRRF (Imposto de Renda Retido na Fonte) soma R$ 661 milhões. Destaca-se também R$ 3,46 bilhões de receitas como Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) e FPE (Fundo de Participação dos Estados).

Quanto às despesas, destaca-se neste ano, o valor empregado em pagamento de pessoal e encargos sociais, que neste ano, já fez com que R$ 6,2 bilhões fossem empenhados. O pagamento de juros da dívida estadual somou R$ 205,8 milhões.

O balanço completo divulgado pelo Governo do Estado pode ser visto clicando neste link e se localiza entre as páginas 9 e 48 do Diário Oficial.