Venda de carne de MS para China atinge US$ 156 milhões em 2021

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
No “Complexo Frigorífico”, a receita de exportação em janeiro de 2016 alcançou o equivalente a US$ 54,8 milhões, apontando queda de 21,8% sobre igual mês de 2015, quando o total ficou em US$ 70 milhões

A China liberou a entrada de carne bovina brasileira nesta quarta-feira (15), e o setor comemora a reabertura. Os embarques para o principal comprador de carne sul-mato-grossense estavam suspensos desde o dia 4 de setembro, e mesmo com embargo, os chineses superaram em 32% na compra da proteína de Mato Grosso do Sul.

“Em 2021, a China comprou 156 milhões de dólares de carne bovina de Mato Grosso do Sul. Faturamento 32% superior ao registrado em todo ano de 2020 e responderam a 20% da receita do Estado. A expectativa é que as vendas de carne bovina para a China cresçam ainda mais em 2022”, pontua a analista técnica do Sistema Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), Eliamar Oliveira.

Na época, a suspensão teve como motivo dois casos atípicos de Encefalopatia Espongiforme Bovina, popularmente conhecida como “doença da vaca louca”, registrados em Mato Grosso e em Minas Gerais.

Em novembro a China permitiu o desembarque de alguns lotes de carne bovina brasileira que receberam a certificação sanitária nacional até o dia 3 de setembro, e a reabertura das portas é comemorada pelo setor pecuário de Mato Grosso do Sul.

“A China tem sido nosso principal destino da carne bovina aqui de Mato Grosso do Sul, desde o final de 2019, então essa notícia da retomada dos embarques foi recebida com bastante otimismo e entusiasmo pelo setor produtivo” afirma o gerente técnico do Sistema Famasul, José Pádua.

“E a expectativa é que essa notícia mantenha os patamares de preços que a gente já alcançou no fim de 2021, acima dos R$ 300 a R$ 310 a arroba”, completa o gerente técnico.

Ainda de acordo com José Pádua, a retomada da exportação para o país asiático não deve influenciar no mercado consumidor de carne, já que os patamares de preços praticamente não apresentaram alteração nesses meses, mesmo com a suspensão provisória demandada pela China. “A expectativa é que o mercado se sustente, e que a exportação em 2022, com essa porta aberta pela China, seja reforçada.”, finaliza José Pádua.

Cenário nacional – De acordo com o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), a China é o principal destino das carnes exportadas pelo Brasil. Em 2020, o país importou mais de U$ 4 bilhões de carne brasileira, e em 2021 a receita chegou a  US$ 3,87 bilhões, representando 46% das vendas globais do produto.