Ponte sobre o Rio Paraguai consolida Rota Bioceânica e traz desenvolvimento para MS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A autorização para início da construção da ponte sobre o Rio Paraguai, entre Porto Murtinho (MS) e Carmelo Peralta (PY) é um momento histórico e um marco para o desenvolvimento do Mato Grosso do Sul. A obra é o símbolo da implantação da Rota Bioceânica, que vai encurtar o caminho de Mato Grosso do Sul e países da América do Sul com oceano pacífico, com expectativa de aumentar as exportações com redução de custos e produtos mais competitivo ao mercado asiático.

“A ponte sobre o Rio Paraguai e a Rota Bioceânica vão trazer desenvolvimento para todo Estado. “É uma integração por meio de um corredor, que além da parte comercial, nos preocupamos para que a população se aproprie deste desenvolvimento”, comenta o secretário Jaime Verruck da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), que participou nesta segunda-feira (13) da cerimônia de lançamento das obras da ponte, em Carmelo Peralta, no Paraguai.

O titular da Semagro reforça que a obra significa a integração dos oceanos Atlântico e Pacífico através de um corredor logístico de extrema importância, além de significar o desenvolvimento de toda a região. “Um dos pontos que a gente sempre cuidou é garantir o desenvolvimento de toda esta região. Este é o trabalho que está sendo desenvolvido, que Porto Murtinho e a as cidades paraguaias se apropriem também deste desenvolvimento”, completou.

A ponte sobre o Rio Paraguai terá um custo de US$ 102,6 milhões (aproximadamente R$ 575,5 milhões de reais) e será construída pela Itaipu Binacional. As empresas que ganharam a licitação para execução da obra terão 1.080 dias (36 meses) para concluir o empreendimento, que é essencial para Rota Bioceânica.

A estrutura vai dispor de 1294 metros de extensão total, com duas pistas de rolagem de veículos de passeio e caminhões, com 12,5 metros de largura, e duas passagens nas laterais, com 2,5 metros cada uma, para o trânsito de pedestres e ciclistas.

O engenheiro e assessor especial da Itaipu, Panfilo Benitez Estigarriba, afirmou que a obra é muito importante para o Brasil e Paraguai. “São 1300 metros de extensão de ponte, com ciclovia e até estrutura especial anti-suicídio, com 22 metros sobre o Rio Paraguai, que não vai atrapalhar a navegação e trará progresso a todos”.