Palestrante afirma que elevada carga tributária brasileira mata a produção e onera o consumo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

 

acorda ms palestra
Maria Lúcia Fattorelli ponta a necessidade de mobilização social consciente para correção das distorções na cobrança de impostos. (Foto: Divulgação).

Como parte do movimento “Acorda MS – Chega de Impostos”, organizada pela Fiems, Fecomércio-MS, Famasul, Faems e OAB/MS, a coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida, Maria Lúcia Fattorelli, esteve, nessa segunda-feira (14) em Campo Grande (MS), para abordar o impacto da alta tributação no Brasil na crise econômica. O “Acorda MS”, lançado dia 1º de março, tem como objetivo sensibilizar a população e a classe política sobre os resultados do retorno da CPMF – Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras.

O presidente da Faems, Alfredo Zamlutti Junior, e o diretor executivo da instituição, Clodoaldo Martins de Oliveira Junior, estiveram presentes no debate. “A situação econômica já é alarmante e permitir a volta desse tributo (CPMF) vai nos enforcar de vez”, disse o presidente. Na abertura da palestra, os representantes do setor produtivo lançaram o “placar” de votos dos deputados federais de Mato Grosso do Sul contrários ao retorno da CPMF. O painel foi instalado na fachada do Edifício Casa da Indústria.

Durante a palestra, Fattorelli reforçou que o atual modelo tributário mata a produção e onera o consumo, restringindo o crescimento econômico. “Atualmente, a carga tributária representa 34% do PIB. Fora isso, o aumento da dívida interna federal, que cresceu mais de R$ 730 bilhões em 11 meses, de janeiro a dezembro de 2015, tem trazido lucro apenas para as instituições bancárias”, disse. Para a palestrante, o retorno da CPMF irá apenas contribuir para o agravamento da situação.

Como saída, Fattorelli aponta a necessidade de realização de uma mobilização social consciente, além de correção das distorções na cobrança de impostos e na negociação da dívida pública, com melhorias no atual sistema tributário. Fattoreli defende ainda a criação de uma frente parlamentar mista para realizar a auditoria pública da dívida em que o cidadão comum também possa participar.