Imagens revelam como funcionam as “fazendas de cliques“ na China

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
O problema é que esses locais acabam se utilizando de técnicas pouco honestas para fazer isso. (Foto: Divulgação).
O problema é que esses locais acabam se utilizando de técnicas pouco honestas para fazer isso. (Foto: Divulgação).

Um vídeo filmado de forma clandestina mostrou como funciona uma “fazenda de cliques” na China. Esses lugares são conhecidos por serem estabelecimentos que tentam utilizam-se de técnicas para inflacionar o número de curtidas e outras interações online em páginas, aplicativos e perfis na internet.

Para entender melhor, essas chamadas fazendas (ou fábricas) reúnem dezenas de smartphones que funcionam quase que de forma autônoma para avaliar páginas e apps com diferentes perfis. O plano é melhorar a popularidade de algum programa ou página para que mais pessoas o vejam.

O problema é que esses locais acabam se utilizando de técnicas pouco honestas para fazer isso. Como é possível ver nas imagens abaixo, os diversos telefones aparecem conectados a cabos que são ligados em PCs. Os funcionários, então, dão comandos que são transmitidos até os aparelhos. Ou seja, um mesmo funcionário consegue controlar dezenas de celulares de uma só vez.

O problema é que esses locais acabam se utilizando de técnicas pouco honestas para fazer isso. Como é possível ver nas imagens abaixo, os diversos telefones aparecem conectados a cabos que são ligados em PCs. Os funcionários, então, dão comandos que são transmitidos até os aparelhos. Ou seja, um mesmo funcionário consegue controlar dezenas de celulares de uma só vez.

As imagens também mostram que os celulares estão executando aplicações como Spotify, YouTube e Twitter ou estão exibindo janelas de lojas de aplicativos, como a Play Store e a App Store.

Fonte: https://olhardigital.com.br/Acolweb